Crimes de execução podem estar ligados à volta do esquadrão da morte, diz deputado

O deputado Walter Prado (Pros) voltou a denunciar o retorno do Esquadrão da Morte. Segundo ele, facções criminosas estariam atuando no Estado. Ele justifica sua tese tendo em vista o alto número de pessoas executadas nos últimos dias. Prado enumerou pelo menos 15 crimes com características de execução.

Entretanto, o parlamentar descartou a possibilidade da participação de uma organização paramilitar. O deputado acredita que os crimes sejam praticados por traficantes na disputa por território para o tráfico de drogas no Estado.

“Denuncio aqui para que mais vidas não sejam ceifadas. Vidas foram ceifadas em modo de execução. Isso é muito grave. Acredito na formação de um novo esquadrão da morte, mas que não tem ligação com nada militar. São traficantes em busca de espaço”, arriscou.

Walter Prado pediu o endurecimento no controle das fronteiras acreanas. Ele pediu que uma investigação mais apurada seja feita pela Polícia Federal no sentido de coibir a entrada de entorpecentes no Estado.
“A ideia é bloquear a fronteira com uma fiscalização mais intensa. Esses profissionais vão coibir o tráfico de drogas. A motivação sempre é o trafico de drogas”, alertou.

O parlamentar apresentou um dado assustador. Segundo ele, 40 mil acreanos têm ligação com o narcotráfico no Estado. Prado disse que este número pode ser bem superior. “Na época em que eu revelei esse dado, o povo disse: ah, mas não é isso. Entretanto, o número hoje pode ser bem maior de que 40 mil pessoas”, revela.

Assuntos desta notícia


Join the Conversation