Política local 25/10/2014

“Cada qual com o seu trabalho pode louvar a Deus”.
(Cervantes)

Posição confortável
A pesquisa do Vox Populi trouxe números reais do momento eleitoral. Tião Viana (PT) com 53% contra 47% de  Marcio Bittar (PSDB). Não é uma pesquisa de instituto caseiro atrelado à oposição. Pesquisou todos os municípios. O Vox tem renome nacional. É muito difícil com esses percentuais, faltando dois dias para a eleição, o candidato que está embaixo virar.

Foi uma atitude infantil
O que o deputado federal eleito Wherles Rocha (PSDB) acrescenta à sua biografia, com a sua atitude infantil de entrar no estúdio da TV-ACRE, no debate, para provocar Tião Viana?

Falta de criatividade
O programa do candidato Marcio Bittar (PSDB) está mal de criatividade. Faz rodar na televisão pesquisa do mês passado, da Delta, ligada ao PMDB,  colocando ironicamente Bittar na frente.

Ninguém se admire
E ninguém se admire se o Delta (ligado ao PMDB) lançar até amanhã uma velha pesquisa com roupa nova dando Marcio Bittar novamente na frente.

Mesma opinião
Sobre o debate da TV-ACRE, pouco a falar. Foi sem sal. E repeteco dos anteriores. Com Tião Viana (PT) dominando os números do Estado e um Marcio Bittar (PSDB) genérico e evasivo.

Sempre achei
Estou entre os que sempre acham que debate é salutar, mas se não houver grande desnível na atuação dos candidatos não modifica o panorama eleitoral. Foi o caso dos debates, no Acre.

Muito nervoso
O senador Sérgio Petecão (PSD), que sempre foi um político sem agressividade, neste segundo turno anda mais nervoso do que o próprio candidato ao governo, Marcio Bittar (PSDB).

Respeito, mas discordo
Com formação em Direito, respeito as decisões da Justiça Eleitoral nesta eleição, mas discordo. Conseguiram abafar a emoção do eleitor. Foi de fazer inveja à Lei Falcão. Se lembram dela?

Vou relembrar
A Lei Falcão era aquela em que os candidatos apareciam na televisão só com a imagem e o número e não podiam pronun-ciar uma palavra. Guardadas as devidas proporções foi parecido.

Exemplos
Proibiram bandeiraços. Muda o voto do eleitor? Proibiram adesivaços. Em que influencia na votação?. Proibiram os candidatos de cumprimentar eleitores nas filas. Precisava isso?

A festa é do povo
Eleição é festa do povo. É o ápice da democracia. O que tem que se combater é a compra de votos, o abuso do poder econômico e não uma simples manifestação popular. Minha opinião.

E a vida continua
No domingo à noite, quem perdeu vai para casa curtir a derrota e quem ganhou toma as ruas e comemora. Na segunda-feira volta tudo ao normal. Por isso não valem a pena as agressões.

Aos olhos vistos
A campanha do Tião Viana deu uma crescida muito grande na última semana, seja no visual, seja na presença de militantes nos bairros. E os números internos trouxeram grande euforia.

Foi o que faltou
A militância nas ruas, nos bairros, foi o que faltou no primeiro turno da eleição.

O pior para acontecer
Na campanha do Marcio Bittar nada pior poderia ocorrer que a queda do tucano Aécio Neves (PSDB), já ultrapassado pela Dilma (PT), porque perdeu o mote do “Aécio lá, Marcio aqui”.

Onda descoloriu
E assim a chamada “onda azul” descoloriu e a campanha do Marcio Bittar deu uma murchada.

Meio para baixo
Quem assistiu ontem ao último programa do tucano Marcio Bittar, na televisão, não deixou de notar o candidato meio para baixo, sem aquele entusiasmo dos que têm certeza da vitória.

Vale tudo da hipocrisia
O que houve no caso de alguns acusados do G-7 foi a apresentação da peça da DENÚNCIA pelo MPF. Nada mais que isso. A Justiça nem se pronunciou. Quanto mais condenou alguém a nada.

Esquema pesado
A FPA vai com um esquema pesado para o dia da eleição, o que vem sendo seu forte em todas as últimas eleições. Ontem, fez uma carreata gigante, sem dúvida, a maior desta campanha.

Não é a carreata
A carreata, já comentei em outras ocasiões, por si não dá votos, mas mostra volume de campanha e serve para sentir a receptividade dos candidatos na manifestação dos moradores.

Bem maior
Será de um volume que não teve na Capital, no primeiro turno, uma espécie de avalanche vermelha.

Povão não lê
A VEJA antecipou a tiragem de domingo e já jogou nas bancas, uma reportagem detonando a Dilma e o Lula. Só que a VEJA não chega nos grotões, quem lê é uma faixa intelectualizada.

Hora mais importante
O eleitor terá amanhã o poder de decidir em quem vai votar e em quem não vai votar. Teve toda uma campanha para avaliar quem tem projeto exeqüível para colocar em prática no próximo mandato e quem fez promessas mirabolantes para burlar a boa-fé do eleitor. O eleitor não pode errar no seu voto de amanhã. Não pode partir para aventuras. O Acre está nos eixos e colocar alguém que tem como propósito destruir o que está bem é perigoso. Por isso, avalie e vote com a sua consciência. Para depois não estar reclamando até de atraso de salário.

Assuntos desta notícia