Jorge Viana: Governo e oposição devem “descer do palanque”

Senador diz que é hora de partidos se unirem pelo país
Senador diz que é hora de partidos se unirem pelo país

Após o término do período eleitoral de 2014, parlamentares da situação e oposição começam a fazer suas respectivas análises quanto aos próximos quatro anos de gestão na esfera estadual e nacional.

Para o senador Jorge Viana (PT/AC), este é o momento dos parlamentares descerem do palanque e criarem situações favoráveis para dar continuidade aos avanços no Acre e no Brasil.

“Chegou a hora de parlamentares de todas as forças representadas nas Casas Legislativas deixarem de lado o calor da campanha eleitoral e criar as condições para o diálogo entre os parlamentares governistas e da oposição no sentido de unir o país”, disse.

Segundo Jorge Viana, o entendimento entre a situação e oposição é fundamental para a retomada do crescimento econômico. “O maior erro que a oposição pode cometer é não descer do palanque. Nós, do governo, também devemos descer rapidamente e dar exemplo, haja vista que é preciso entendimento entre as partes para a retomada do crescimento econômico”, frisou.

Quanto ao próximo mandato da presidente Dilma Rousseff (PT), o senador acredita que os resultados quanto ao desenvolvimento do país serão melhores. “No primeiro mandato, a presidente Dilma enfrentou uma conjuntura econômica desfavorável e, agora, há expectativa de mudanças, especialmente nos órgãos do Executivo. Os ensinamentos dos primeiros quatro anos de gestão são fundamentais para um segundo ainda melhor, para tanto, devem ocorrer ajustes necessários no governo. Por exemplo, recompor os ministérios com nomes qualificados”, falou o senador acreano.

O parlamentar ressalta que a primeira ação deve ser o envolvimento do Governo Federal para resolver um problema grave no país, que é a violência. “Esse é talvez o maior desafio de curto prazo para ser enfrentado pelo  governo e a presidenta já apontou o caminho: puxar para a União a responsabilidade”, disse.  Ele acrescentou ainda a necessidade de uma reforma política. “Se não assumirmos essa como uma questão central, estaremos agindo de maneira irresponsável, podendo afetar a imagem do Congresso”.

Jorge Viana finaliza ressaltando a necessidade uma “reinvenção” do chamado governo de coalizão, onde há a cooperação parlamentar de vários partidos políticos. “Está muito desgastado esse atual modelo de coalizão. É preciso montar um governo com pessoas que reúnam as melhores capacidades técnica e política para governar”.

Assuntos desta notícia