Perspectiva

Sabe aqueles dias que você senta num banco qualquer e a sombra de uma árvore com poucas folhas a balançar com o vento leve, e é tomado por pensamentos que divagam na mente?!

Isso ocorreu comigo e acredito que ocorre com uma maioria também das pessoas já mais vividas. Ai vem aquela avaliação de vida, de que na juventude a gente briga por coisas absurdas e que vão de encontro aos nossos ideais, mas com o passar dos anos a gente avalia que eram coisas tão tolas.

A gente perde um tempão de birra, cara amarrada ou deixa até de falar com as pessoas. Parece que é algo de família e está no sangue português, pois não somos vingativos, mas somos bem rancorosos (rs). Lembro que cheguei até a atravessar rua ou falar com a pessoa do lado da que eu estava brigado.

Dai a gente vai amadurecendo e vê que aquilo foi uma bobagem, mas ao mesmo tempo foi uma lição de vida, pois quando nos deparamos com situações semelhantes, logo tiramos de letra o famoso “arranca rabo”.

Se aos meus nove anos tive que amadurecer uns cinco anos para ajudar meu pai com meu avô que foi acometido de quatro derrames, com a perda do meu pai, eu amadureci mais uns dez anos. Avalio tantas coisas e situações com maior clareza.

Meu pai sempre me ensinou que sentimentos não devem ser escondidos e quando necessário, devem ser exposto a quem se destina. Nunca esqueci desse ensinamento e exerço diariamente com todos que tenho contato, os de longa data nem se falam. Esses eu sinto tanto carinho, que chega a ser confundido com exageros. Exageros que cometo para que nunca se esqueçam de mim nos momentos difíceis.

Nos dias de hoje, a coisa mais difícil é encontrar pessoas que pratiquem a reciprocidade e quando realizamos esse compartilhamento de sentimentos, muitos se fecham com medo de serem magoados. A gente deve lembrar de passar por cima dessas dificuldades, devemos nos deixar vivenciar o sentimento e passar por cima dos percalços. Tudo isso faz parte do crescimento pessoal.

Penso que precisamos passar por alguns perrengues da vida, pois assim descobrimos o tamanho da nossa força em vencer essas dificuldades e não nos deixar cair num buraco. Se a gente cair, poucos são os que manifestam te puxar de lá e quando isso acontece, você também tem que está disposto a se ajudar.

Pode parecer algo meloso, algo piegas ou como disse um exagero, mas quando se trata de sentimentos puros pelo outro, é necessário sempre colocar isso, pois assim evitamos que aqueles que amamos esqueçam que os feriu e que você está lá pra elas e elas estarão pra você. Pode não ser na mesma proporção, mas cada um sabe a maneira de como colocar seu amor a amostra do próximo.

* Victor Augusto (Bombomzão) é jornalista.
E-mail: [email protected]

Assuntos desta notícia