Política local 04/11/2014

“Aquele que chora suas dificuldades se mantém escravo de suas dificuldades”.
(Karrlo Kramsu, escritor finlandês)

Mais claro não podia
O PT está num processo de aumento de rejeição. Até o formulador da política petista, Nepomuceno Carioca, reconheceu em recente entrevista na TV-RIO BRANCO. Esse desgaste ficou claro na última eleição para o governo. O PT tem no Acre o governo e a prefeitura. Duas máquinas poderosas. E ganhou por pouco. E a vitória deve-se mais ao carisma do Tião Viana.

Não fosse isso…..
Tião Viana se aproximou do povo com centenas de visitas aos municípios, programas populares como Cidade do Povo, Ruas do Povo, não fosse isso não teria sido reeleito.

Perdeu o bode expiatório
Quando era oposição o PT tinha o respaldo de que não estava no poder. E disparava a baladeira. Vai agora para duas décadas no poder e não tem mais a desculpa, agora é vidraça.

Não é exclusividade
E esse desgaste não é exclusividade do Acre. É nacional. E por um fator: o PT, depois do mensalão perdeu virgindade política. A vitória apertada da Dilma é uma mostra desse quadro.

Ninguém sabe como ficará
E ninguém sabe como ficará este país quando os nomes de dezenas de deputados federais e senadores forem revelados no escândalo da Petrobras, com delação premiada já aprovada.

Não desperta confiança
A sorte do PT, no Acre, é que Tião Bocalom e Marcio Bittar são figuras velhas carimbadas, não representam a expectativa de boa mudança e por isso não conseguem se mostrar confiáveis.

Quem foi que disse?
A devolução de 300 mil reais pelo presidente da Câmara Municipal, vereador Roger (PSB) à PMRB foi mostrada com destaque. Quem disse que devolver recursos públicos é boa gestão?

Não conheço
Não conheço nenhuma teoria econômica que diga que a devolução de recursos é algo espetacular. Pelo contrário, mostra que faltou ao gestor criatividade para a sua aplicação.

Não é só isso
O prefeito de Cruzeiro do Sul, Vagner Sales, não terá que explicar ao MP só os descontos salariais dos cargos de confiança para o PMDB, consta que também ocorre com os provisórios.

É muito simples
É uma denúncia de fácil apuração, basta requisitar as folhas de pagamento da prefeitura.

Filho pródigo
Depois de tentar e não conseguir se eleger deputado estadual, José Reis voltou ser nomeado para a Secretaria de Pequenos Negócios, que conduziu bem e tinha saído para ser candidato.

Recado das urnas
O senador Petecão (PSD) deve ficar atento ao recado das urnas. Não elegeu a irmã Lene Petecão e o anão Jack Montana para vereador e agora a mulher Marfisa a deputada federal.

Voos mais baixos
Sérgio Petecão tem que esquecer disputar a reeleição do Senado e buscar voos mais baixos.

Em baixa
O prefeito do Bujari, Tonheiro (PT), está em baixa na cúpula do seu partido, que não admitem o fato do PT ter tido um resultado fraco no primeiro e segundo turno, naquele município.

Este é um fato
O problema é que o prefeito Tonheiro (PT) tem se mostrado até o momento um gestor fraco.

Virou o jogo
Já para a cúpula petista, o prefeito de Tarauacá, Rodrigo Damasceno (PT), teve um começo desastrado, se recuperou e ajudou na larga vitória de Tião Viana no seu município.

Substituição difícil
Moisés Diniz (PCdoB) e Eduardo Farias (PCdoB) estão entre os melhores deputados desta legislatura. O deputado eleito Dr. Jenilson (PCdoB) terá que ser tão bom quanto eles.

Melhor para ele
O prefeito Marcus Alexandre deveria no próximo ano reunir o secretariado e perguntar quem quer ser candidato a vereador. Os que quiserem devem ser afastados. É melhor para a sua paz.

Nada a fazer
Poucos deputados têm aparecido na Assembléia Legislativa. Mais da metade perdeu a eleição e não tem mais motivos para entrar em debates. E os que ganharam estão comemorando.

Desejo revelado
O deputado Élson Santiago (PEN), que para surpresa geral perdeu a eleição, tem dito a amigos que espera ser chamado para uma secretaria de ponta pelo governador Tião Viana.

Não há mais dúvida
Tive ontem a confirmação que o deputado Ney Amorim (PT) é o nome do seu partido para a presidência da Aleac. Com o aval do partido e a FPA com maioria na Aleac não há mais dúvida.

Bocalom adora perder
Não vou me admirar nada se em 2016, Tião Bocalom (DEM) aparecer disputando a prefeitura de Rio Branco e em 2018 o governo estadual. Um mérito do Bocalom: não cansa de perder.

Olhar para o próprio rabo
Diz o ditado: “macaco que olha para o rabo alheio esquece o seu”. É o que acontece com a oposição. Há 16 anos perde uma eleição atrás da outra para o governo e PMRB. E para o governo, com a última derrota, vai emplacar 20 anos. Alguma coisa está errada com a oposição. Se assim não fosse não viveria este calvário de derrotas. A oposição apresentou nestes 16 anos nomes que não despertam a confiança do eleitor. Enquanto não se reciclar vai continuar sendo mera participante da eleição. E entrando para perder.

Assuntos desta notícia