Política nacional 04/11/2014

“É importante que [o STF] não se converta em corte bolivariana”.
Ministro Gilmar Mendes sobre o fato de o PT nomear, até 2016, dez dos onze ministros.

André Vargas age como se continuasse petista
Alvo de processo de cassação devido às relações nada republicanas com o megadoleiro Alberto Youssef, o deputado  André Vargas (PR) surpreendeu aparecendo nesta segunda-feira (3) na sede do PT pouco antes de reunião da cúpula, em Brasília. Circulou muito à vontade, mesmo após se desfiliar oficialmente do PT em abril, e ameaçar pôr a “boca no trombone”. E avisou interlocutores: não será punido sozinho.

‘Cumpanherada’
André Vargas acompanha de perto o crescimento da lista dos envolvidos no Petrolão, que ele conhece, digamos assim, por dentro.

Poço de ódio
Sob ameaça de cassação, André Vargas alega ter sido abandonado pelo PT, e fala muito mal de Dilma e do presidente do PT, Rui Falcão.

Cassação em curso
A cassação de Vargas foi recomendada pelo Conselho de Ética, e seu recurso à comissão de Constituição e Justiça será analisado na terça

Morreu de velho
Com pelo menos 5 viagens oficiais na presidência, Lula riscou a África da agenda depois do ebola, até para ocasionais pit stops de “negócios”.

Governo burla lei da micro e pequena empresa
Criada para simplificar impostos dos pequenos, a Lei Complementar 123/2006 está “facilitando” apenas a vida de alguns: 402 empresas de pequeno porte e microempresas burlaram o respectivo faturamento máximo de R$ 3,6 milhões e R$ 360 mil em contratos com o governo federal, aponta o Portal da Transparência. Até a Controladoria-Geral da União gastou R$ 15 milhões com contratos irregulares em 2013.

Véspera de Finados
No Brasil passou batido, mas Alemanha, EUA e até Índia noticiaram o grande protesto pelo impeachment de Dilma em São Paulo, sábado.

Com lupa
Dilma e Lula procuram notícia boa para ofuscar a rentrée de Aécio Neves no Senado, nesta quarta (5). O pior é que não têm nenhuma.

Tiro no escuro
O líder do Solidariedade, Fernando Francischini (PR), quer um grupo na CPMI da Petrobras ouvindo o doleiro Alberto Youssef no Paraná.

Vanguarda do atraso
Dois dias após a reeleição de Dilma, o decadente governo bolivariano de Venezuela revelou um convênio com o MST para troca de experiências e avanços “na construção de uma sociedade socialista”.

Articulações
O ‘blocão’ formado pelo PMDB, PR, PTB, SD e PSC se encontrará nesta terça (4) em almoço na casa de Eduardo Cunha (RJ), líder do PMDB. Na pauta, a eleição à Presidência da Câmara em 2015.

Jarbas presidente
O PSDB teve uma ideia que pode ganhar corpo: o lançamento da candidatura do senador e deputado federal eleito Jarbas Vasconcelos (PE) para enfrentar Eduardo Cunha (RJ) para presidente da Câmara.

Pauta bomba
Após impor a Dilma sua primeira derrota após reeleição, os deputados do PMDB preparam uma pauta para lá de preocupante ao Planalto: o aumento de 1% no Fundo de Participação dos Municípios, e o fim da obrigação de destinar 50% das emendas à saúde.

Pedra ou cascalho
O deputado Lúcio Vieira Lima (PMDB/BA) duvida de Jaques Wagner na Petrobras: “Dilma disse que não ficaria pedra sobre pedra no segundo mandato, não tem porque colocar um cascalho na Petrobras”.

Petrolão Trade Center
O novo World Trade Center, inaugurado nesta segunda (3), nos EUA, custou o equivalente a R$ 9,6 bilhões. Menos que os R$ 10 bilhões surrupiados pela quadrilha de políticos e turma do governo no Petrolão.

Outros custos
A Secretaria de Turismo gasta R$ 24 mil ao mês com cópias xerox, e até considerou uma licitação para renovar suas impressoras ao custo de R$ 1 milhão. Mas resolveu passar a bola para o futuro governo.

Disputa santista
José Carlos Peres, diretor do G4 Paulista (os quatro grandes clubes do futebol no Estado), disputa a presidência do Santos. Ele fez o dossiê que embasou decisão da CBF reconhecendo títulos nacionais, entre 59 e 1970, de Bahia, Botafogo, Cruzeiro Fluminense, Palmeiras e Santos.

Pensando bem…
…a Europa reclama na OMC dos subsídios brasileiros a fertilizantes, e com razão: afinal, a classe política garante a abundância da matéria prima.

PODER SEM PUDOR
Como irritar adversário
José Maria Alkmin (PSD), mestre em política, fazia um discurso na Câmara dos Deputados quando o adversário Pedro Aleixo (UDN) pediu um aparte e começou a atacar Juscelino Kubitschek. Alkmin permaneceu impassível: enquanto Aleixo desancava o amigo JK, ele arrumava papéis numa pasta. Ao final da intervenção, Alkmin tirou Pedro Aleixo do sério:
– Vossa Excelência poderia repetir o aparte?
– Vossa Excelência me respeite, não sou moleque! – gritou o udenista.
– Tá bem, Pedro, tá bem, depois conversaremos… – sorriu Alkmin, que continuou a discursar ignorando completamente o aparte do colega.

Assuntos desta notícia