Acre não tem risco de surto de dengue, diz secretária adjunta de Saúde

A secretária adjunta de Atenção à Saúde da Secretaria de Estado de Saúde (Sesacre), Paula Mariano, se pronunciou na manhã desta sexta-feira, 13, a respeito do balanço divulgado pelo Ministério da Saúde (MS) na quinta-feira, 12, sobre a dengue no Brasil. De acordo com o balanço, o Acre é o estado com maior incidência da doença, com 695,4 casos a cada 100 mil habitantes.

Paula Mariano explicou que o resultado é alto porque o levantamento é feito considerando a população do Estado. “O cálculo da incidência é feito dividindo o número de casos confirmados de dengue pela população total residente e multiplicando por 100 mil. Como a população total do Acre é pequena, comparada a outros estados, o número se torna alto”, disse.

A secretária também chamou a atenção para o resultado do Levantamento Rápido de Índice para Aedes aegypti (LIRAa) para o Acre. “A média de infestação é de 2,65%, o que deixa o estado em situação de alerta para a dengue e fora do risco de surto da doença”, explicou Paula.

O LIRAa identifica focos de infestação do mosquito, criadouros predominantes e permite o direcionamento das ações de controle para as áreas mais críticas. Com relação às ações de controle para a dengue, Paula Mariano afirmou que o Governo do Estado, em parceria com os municípios, já vem reforçando o trabalho de prevenção, controle e combate da dengue.

“Em janeiro, intensificamos a Ação de inverno que promove limpeza nos bairros, além de conscientizar a população sobre formas de prevenção e controle do vetor. Além disso, vamos continuar com a atuação dos agentes de saúde que trabalham direto com a população, vistoriando casas, depósitos, terrenos baldios e estabelecimentos comerciais, a fim de detectar focos da dengue”, finalizou. (Álefe Souza / Assessoria Sesacre)

Assuntos desta notícia