Gazetinhas 25/03/2015

* Faça chuva ou faça sol…

* E a semana começou foi quente nos salões da Assembleia Legislativa do Acre.

* Com uma pauta antiga de reivindicações, agentes socio-educativos protestaram, novamente, por melhores condições de trabalho.

* E denunciaram o iminente “colapso” do sistema de ressocialização de jovens infratores no Estado.

* É uma boa causa e merece a atenção não só dos parlamentares, mas também de toda sociedade.

* Afinal, se essas instituições ditas de “ressocialização” realmente tivessem estrutura para cumprirem bem o papel que lhes é atribuído, muitos problemas futuros poderiam ser evitados…

* Porém, no rumo que vai, acabam se tornando tão somente uma porta de entrada ou uma reprodução em menor escala do falido sistema prisional do país.

* Não é à toa que os problemas apontados pelos agentes socio-educativos são praticamente os mesmos daqueles reclamados, há anos, pelos agentes penitenciários:

* Falta de equipamentos e condições de trabalho; falta de segurança; efetivo insuficiente para atender a demanda de menores…

* Só para se ter uma ideia, o Estado conta, atualmente, com o total de 100 agentes para atender as unidades de ressocialização.

* Mas, segundo o sindicato da categoria, a quantidade de profissionais necessária para o número de menores internos seria, pelo menos, o triplo disso.

* Apesar das insatisfações, o grupo saiu confiante com o encaminhamento que foi prometido pelo presidente da Comissão de Direitos Humanos, Daniel Zen.

* Agora, é acompanhar e cobrar a agenda prometida.

* Com a vazante do Rio Acre, que começa a tomar ritmo mais acelerado, tornam-se mais evidentes os cenários trágicos deixados pelas águas.

* Na rua da Comunidade Santa Rita, no bairro da Base, um grande desbarrancamento assustou a população do local.

* A preocupação das autoridades é que a erosão do solo, nos bairros mais atingidos pela cheia, como a Base e o Airton Senna, tende a se intensificar, nos próximos meses.

* E aí vem a necessidade dos recursos não somente para sanar as emergências, mas sim para recuperar as áreas atingidas.

* É onde o bicho pega, porque, tendo em vista as proporções da enchente, não vai ter milagre e, muito menos, esmola que dê jeito.

* Prefeito Marcus Alexandre sabe bem disso.

* E, esta semana, já partiu para uma saga em oito ministérios, em Brasília, em busca de recursos para reconstrução da cidade.

* A princípio, o plano demandaria, no mínimo, R$ 20 milhões em investimentos.

* Xiiii.

* Na atual crise financeira do país?!

* No máximo, devem prometer de lá alguns “kits” com cimento e tijolo pós-alagação.

* E o pior é que ainda vamos ter que agradecer por isso.

Assuntos desta notícia