Gazetinhas 26/03/2015

* Não bastasse a chuva incessante dos últimos dias, já tem deputado trazendo até neve pro Acre…

* Eu, hein.

* Foi essa a justificativa do deputado Antônio Pedro, do DEM, por não ter comparecido à sessão da última terça-feira, na Aleac.

* Segundo ele, que vinha de Porto Velho, “o avião não pôde voar porque fazia neve” por aqui.

* Fiufiufiufiufiu…

* Mas vocês são muito maléficos e amargos, hein?

* O que o deputado quis dizer é que havia “névoa” no aeroporto de Rio Branco.

* Por isso, os passageiros precisaram esperar para embarcar no aeroporto de Rondônia, até que o voo fosse liberado.

* Nós entendemos, deputado.

* Não ligue pra esses linguarudos, não.

* Ririri.

* Linguaruda, linguaruda mesmo anda a deputada Eliane Sinhasique.

* E está pagando o preço pelos excessos de, digamos assim, “críticas construtivas” ao governo estadual.

* Pelo menos foi isso que a deputada prometeu no discurso de abertura dos trabalhos da Casa…

* Críticas construtivas, oposição responsável.

* Enfim…

* Na sessão de ontem, a polêmica foi em torno do Acreprevidência.

* A proposta da deputada era que o instituto também concedesse aos aposentados e pensionistas do Estado o mesmo benefício que vem sendo dado pelo INSS aos seus beneficiários vítimas da alagação.

* Ou seja: a antecipação do salário, dividido em 36 vezes sem juros.

* “O Acreprevidência, segundo o seu diretor, tem um saldo positivo da ordem de R$ 280 milhões. Não falta dinheiro para antecipar um salário”, argumentou ela.

* Uma proposta até bem intencionada, porém inviável do ponto de vista legal.

* Dura na cobrança e nas críticas ao governo, Sinhasique recebeu resposta à altura do diretor-presidente do Acreprevidência, José de Anchieta.

* “Deputada, sua fraternidade é farisaica!”, disparou ele, na nota de esclarecimento divulgada à imprensa.

* Farisaica = hipócrita, falsa, fingida.

*Arre!

* Também não é para tanto, professor.

* Melhor todos acalmarem os ânimos.

* Após o anúncio do pacotão de medidas para racionalizar despesas na Prefeitura de Rio Branco, muitos cargos comissionados já estão batendo à porta de empresários, à procura de emprego, caso as demissões ou redução de salários sejam confirmadas.

* Um temor justificável, mas, por ora, negado pelo secretário municipal de Finanças, Marcelo Macêdo.

* Segundo ele, a economia vai afetar, prioritariamente, a contratação de serviços terceirizados.

* Huum.

* O problema é afetar também a tão festejada popularidade do bom prefeito Marcus Alexandre.

* Afinal, como se sabe, a memória do povo é curta, e os reflexos da crise pós-alagação estão só começando.

Assuntos desta notícia