Política nacional 09/04/2015

“Manifestamente incabível”.
Ministro Dias Toffoli (STF) se negando a anular a delação do doleiro Alberto Youssef.

Propina da UTC pode ter sido para setor elétrico
Pode ter sido feito a pessoas ligadas a empresas públicas do  setor elétrico o pagamento de propina realizado pela empreiteira UTC, após a deflagração da Operação Lava Jato. O pagamento foi revelado pelo juiz Sérgio Moro, em informação ao Supremo Tribunal Federal, mas ele não especificou a área à qual o suborno foi destinado. A UTC participa de obra importante nessa área: a montagem da usina nuclear Angra 3.

Diga-me com quem anda
A montagem de Angra 3 é tocada por um consórcio que inclui enroladas na Lava Jato, como Camargo Corrêa, Odebrecht e UTC.

Faturamento bilionário
Só a primeira fase da usina nuclear de Angra 3 custou ao contribuinte R$ 2,9 bilhões. Incluindo as gorjetas milionárias, naturalmente.

Se gritar ‘pega ladrão’…
O esquema de corrupção nas estatais do setor elétrico “é muito maior” que o petrolão, segundo Paulo Roberto Costa, ex-diretor da Petrobras.

Eletrolão, a missão
Sob delação premiada, Dalton Avancini e Eduardo Leite, da Camargo Corrêa, contaram parte da ladroagem nas estatais do setor elétrico.

CUT terceiriza manifestação
A Central Única dos Trabalhadores (CUT) terceirizou o protesto contra o projeto de lei que amplia exatamente a possibilidade de terceirizar a mão de obra em empresas públicas e privadas. Para fazer número na manifestação de terça (7), a CUT pagou cachê de R$ 45, além de haver fornecido lanche, boné e camiseta (ou colete), com inscrição da entidade, para a pessoas pobres recrutadas na periferia de Brasília.

Recrutamento a laço
Só na região do Sol Nascente, a maior favela do DF, foram recrutadas 30 pessoas e levadas como gado à Esplanada dos Ministérios.

Testemunha
O taxista Wanderson Carvalho, que faz ponto no Anexo 4 da Câmara, testemunhou à rádio BandNews a ação dos manifestantes de aluguel.

Trinta moedas
Há em Brasília escritórios recrutando pobres diabos que empunham bandeiras e vestem camisetas em troca de trinta moedas dos pelegos.

Quem pagou, levou
A Operação Zelotes apurou que membros Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf) procuravam contribuintes autuados oferecendo os “serviços” de redução das multas. Muitos fecharam negócio. E quem não pagou, como o Bradesco, perdeu de goleada (6×0) no Carf.

Aversão
Dilma ainda admite nomear Henrique Alves e até pensou colocá-lo na articulação, desde que não tivesse de lidar com ele. Depois mudou de ideia. Vira e mexe, ela lembra que “orçamento impositivo” foi ideia dele.

Temer foi plano de Lula
Lula é o mentor do plano que derrubou Pepe Vargas e entregou ao vice Michel Temer a articulação política do governo Dilma. Ele anda em pânico com as eleições municipais de 2016 e as presidenciais de 2018.

Mercadante, o encosto
Foi objetivo de Lula, sugerindo Michel Temer, tirar da articulação o trapalhão Aloizio Mercadante (Casa Civil), que afasta o governo do Congresso cada vez que abre a boca para falar ou tratar de política.

Grande assessor
Ex-secretário-geral da mesa diretora da Câmara, Mozart Viana tem boas relações com parlamentares, mas sua presença na articulação será, no máximo, como na assessoria a Michel Temer. “Conhecer deputado não é saber fazer política”, lembra Hugo Motta (PMDB/PB).

Indicado de Lula
O ministro Benedito Gonçalves, do Superior Tribunal de Justiça, voltou a ganhar força para ocupar a vaga de Joaquim Barbosa no Supremo Tribunal Federal. Também negro, ele é o preferido de Lula.

Chega de vergonha
Humilhado por Dilma, que procurava substitutos sem que ele soubesse, o gaúcho Pepe Vargas nem pôde fazer malcriação: precisava de outro cargo, no governo, para não sair do vexame direto para a planície.

Terrorismo
A agressiva pelegada da CUT levou pânico aos servidores do gabinete do deputado Laércio Oliveira (SD), xingando-o e gritando palavras de ordem, por ele haver desarquivado o projeto da terceirização.

Façam suas apostas
O paciente vice-presidente Michel Temer ficará na articulação política do governo até o primeiro, o segundo ou o terceiro grito da Madame?

PODER SEM PUDOR
Bela derrota
O governador de São Paulo, Lucas Nogueira Garcez, impôs em 1953 a candidatura de Francisco Cardoso (PSP) à prefeitura paulistana. Adhemar dea Barros não gostou da escolha, nem tornou público a sua posição. Mas ficou na torcida. Jânio Quadros ganharia para prefeito, o que não seria lamentado pelos adhemaristas. Erlindo Salzano, fiel seguidor de Adhemar, desabafou:
– Foi a mais bela derrota entre todas as vitórias que tivemos…

Assuntos desta notícia