Secretaria de Saúde vai ouvir profissionais no caso do lutador que morreu por leptospirose

Após um mês da morte do militar exame confirmou a doença
Após um mês da morte do militar exame confirmou a doença. (Foto: Cedida)

Depois da confirmação da causa da morte do lutador do cabo do Exército Euriberto e lutador de taekwondo Pereira Gomes Neto, por leptospirose, a Secretaria de Saúde do Acre (Sesacre) informou que está ouvindo os profissionais que estavam de plantão no dia em que o lutador não conseguiu atendimento no Hospital de Urgência e Emergência de Rio Branco.

Após 33 dias da morte do lutador, na última sexta-feira, 17, a família recebeu o resultado do exame.

Segundo Armando Melo, secretário de Saúde do Acre, algumas providências foram tomadas para a coleta de documentos necessários, em relação a todos os atendimentos realizados à vítima. Ele explica que de acordo com as primeiras informações sobre o caso, o enfermeiro que aparece no vídeo não negou atendimento à vítima.

O secretário destaca que só após a conclusão do processo administrativo é que vão saber se houve negligência da parte de algum servidor, se foi erro do sistema de saúde ou não.

“Abrimos um processo administrativo. Começamos a ouvir as pessoas que fizeram parte do atendimento desse paciente. As primeiras informações. é de que o enfermeiro estava explicando o funcionamento do Pronto Socorro, e que não teria havido uma negativa de atendimento. Mas, isso só pode ser confirmado ao final do processo”, disse o secretário.

A família do lutador
Em entrevista para um site de notícias, a família da vítima disse que pretende entrar com uma ação contra o Estado por negligência médica. O atleta havia concedido uma entrevista, um dia antes da sua morte, e reclamou que havia buscado atendimento em pelo menos três unidades do sistema público de saúde, mas, não obteve sucesso.

De acordo com o secretário, a família do atleta ainda não entrou com nenhum processo contra o Estado por negligência. “É um direto da família contestar, manifestar indignação e nosso dever é procurar melhorar sempre o atendimento. Para isso, tomamos medidas, como capacitação de servidores e intensificamos a orientação da vigilância nas unidades de saúde”, ressaltou.

Registrados 1,7 mil casos suspeitos
De acordo com a Sesacre, em três meses, mais de 1,7 mil casos de leptospirose foram notificados e 172 confirmados. Em janeiro foram notificados 314 casos e confirmados 39. Em fevereiro, 313 casos foram suspeitos e 49 confirmados. Já em março, mês que o Acre enfrentou a enchente histórica, 1.111 casos foram notificados e 84 foram confirmados. (Com informações do portal G1/Acre)

Assuntos desta notícia