Pular para o conteúdo

Habeas corpus é negado pelo STJ e Hildebrando Pascoal continua preso

 O habeas corpus com pedido de liminar impetrado em favor do ex-coronel e ex-deputado, Hildebrando Pascoal, foi indeferido pelo Superior Tribunal de Justiça. O pedido no STJ foi feito após o Tribunal de Justiça do Acre suspender a ordem de concessão de liberdade assinada pela juíza da Vara de Execuções Penais, Luana Campos.

As penas, somadas, totalizam mais de 100 anos de prisão e Hildebrando já cumpriu um terço da pena por crimes hediondos e um terço da pena para crimes de menor gravidade. Com a decisão, Hildebrando segue detido no complexo penitenciário de Rio Branco.



No início do mês de agosto, o desembargador do Tribunal de Justiça do Acre, Roberto Barros, acatou o mandado de segurança do Ministério Público Estadual (MPE), que pedia a suspensão da decisão da juíza da Vara de Execuções Penais da Comarca de Rio Branco que concedia a progressão de pena de Pascoal para o regime semiaberto.

O HC foi protocolado pela defesa de Hildebrando, representada pelo advogado Luis Augusto Correia de Lima. O pedido liminar foi negado pelo ministro do STJ, Gurgel de Faria. Com isso, a defesa de Pascoal alegou que ele “sofre constrangimento ilegal, tendo em vista que o agravo em execução não tem efeito suspensivo e que o mandado de segurança não serve como substituto do recurso”.

A defesa do ex-coronel alegou ainda que a exigência do exame criminológico foi considerado desnecessário pela juíza da Vara de Execuções Penais da Comarca de Rio Branco, “de modo que sua exigência não pode servir de fundamento para obstar a progressão” de pena de Hildebrando Pascoal, que foi condenado a mais de 80 anos de reclusão, acusado de diversos crimes, entre eles, o caso do mecânico Agilson Firmino, que ficou conhecido como o crime da motosserra.

O ministro Gurgel de Faria em sua decisão explicou, “não cabe habeas corpus contra indeferimento de liminar, a não ser em caso de evidente e flagrante ilegalidade, sob pena de indevida supressão de instância. Inclusive, encontra-se consolidado no verbete no 691 da Súmula da Suprema Corte: não compete ao Supremo Tribunal Federal conhecer de habeas corpus impetrado contra decisão do relator que, em habeas corpus requerido a tribunal superior, indefere a liminar”.

Gurgel de Faria justifica ainda que “o conhecimento de habeas corpus depende da correta formação de instrumento, ou seja, da instrução da petição com todas as peças necessárias para compreensão da lide, pois o writ exige prova pré-constituída das alegações. Todavia, isso não ocorreu na presente impetração, haja vista que não consta dos autos as peças que atestam o somatório legal das penas, se ocorreu interrupção dos prazos para progressão de regime, se foi interposto na origem o agravo em execução penal”.

O ministro ressalta que, “em face da omissão, não há como se analisar se a hipótese em estudo caracteriza a estreita exceptio, de modo a superar a referida súmula. Diante do exposto, com fundamento no art. 210 do RISTJ, indefiro liminarmente o habeas corpus”. O pedido de habeas corpus de Hildebrando Pascoal foi apreciado no dia 10 de agosto, em Brasília.

error: Conteúdo protegido!!!