Política local 31/03/2016

“Impeachment sem crime de responsabilidade é golpe mesmo”.
 (Presidenta Dilma em solenidade ontem)

Siameses
A melhor definição sobre a responsabilidade pela situação econômica do país coube à ex-ministra Marina Silva (REDE): “O PMDB é irmão siamês”.

Faz de conta
A banda podre do PMDB que rompe com a presidente Dilma quer fazer a população crer que não tem responsabilidade com a crise econômica do país.

Sorte dela
O Movimento Brasil Vem Pra Rua crítica Marina Silva nas redes sociais e diz que em 2018 o candidato a presidente é Jair Bolsonaro. Sorte da Marina.

Está superado
O fato do vice do prefeito Marcus Alexandre (PT) ser do PSB e não do PCdoB é superado no âmbito dos partidos da Frente Popular. O martelo foi batido, só falta virar a ponta.

Dilema
O secretário adjunto de Educação, Moisés Diniz, vem sendo bombardeado diariamente com convites do PDT para disputar uma vaga de deputado federal em 2018.

Aliado em Brasília
O PR, um dos partidos do balaio da ex-deputada federal Antonia Lucia, é aliado incondicional do PT em Brasília. No Acre, bate de frente, mas nem tanto.

Fio da navalha
O senador Sérgio Petecão está no fio da navalha. Enquanto destila ódio contra o PT no Acre, o seu partido, o PSD, comandado por Gilberto Kassab ocupará mais cargos no Governo Federal.

Vê se pode!
Enquanto Eduardo Cunha quer acelerar o impeachment da presidente Dilma, contra quem não há crime algum, ao mesmo tempo emperra o Conselho de Ética para não cassá-lo.

Até a alma
O presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB) está corpo, alma e espírito atolado em corrupção da Lava Jato. Sua prisão foi pedida, mas o STF está como peixe: nada.

Pega ladrão
Petista ironizava os peemedebistas eufóricos com o rompimento do partido com o governo Dilma: “O PMDB está fazendo como o cara que assalta alguém na rua  e sai gritando pega o ladrão”.

Foi bom para os dois
Deputado do PMDB afirmava que o casamento com o PT que durou 13 anos foi bom para os dois partidos. “Toda separação é assim mesmo, muito dolorosa. A briga é pelo espólio político”, disse.

Visitando a mulher
Boa parte do PMDB não deixou o governo e continua apoiando a presidente Dilma Rousseff. Sobre isso os deputados do PMDB na Assembleia não se pronunciam.

Pesquisa na mão
O prefeito Marcus Alexandre sabe exatamente o seu potencial de votos. Tem em mãos pesquisas que apontam a realidade. Melhor do que se pode imaginar.

Palavra do Rocha
Dos expoentes da oposição no Acre, o único que afirma que vai apoiar qualquer candidato em um eventual 2º turno contra o PT é o deputado Rocha.

Não pode contar
Pelo andar da carruagem, a pré-candidata do PMDB, deputada Eliane Sinhasique, não poderá contar com ajuda dos demais partidos de oposição se chegar ir ao 2º turno. É o que se ouve.

Tem exceção
O senador Gladson Cameli, cujo partido está substituindo o PMDB na base de apoio à presidente em Brasília, apoia Eliane Sinhasique no 2º turno, se houver.

Já vinha com problemas
O ex-deputado federal Osmir Lima já vinha trocando algumas bicadas com o PT dentro do governo. Sua saída é natural, é da política.

Dividida
A OAB Brasil afora está completamente dividida em relação à cassação da presidente Dilma Rousseff. As feridas vão demorar a cicatrizar.

Não leva
Sobre o PTB, a informação que chegou à Coluna é de que, apesar da insistência, o senador Gladson Cameli (PP) não conseguiu tomar o partido da Regina Lino.

Fazendo fila
Gozador de plantão liga para a Coluna dizendo que na última eleição trabalhou para o Bocalom e não recebeu. Como soube que ele (supostamente) teria recebido R$ 400 mil da Odebrecht quer o seu. Vai trabalhar!!!

Assuntos desta notícia