Gazetinhas 30/03/2016

* Abandonaram o barco, pularam fora antes do naufrágio…

* Ou apenas “desembarcaram”.

* Um eufemismo interessante pra não ficar tão feio nas manchetes.

* E, numa reunião que não durou mais do que três minutos, o PMDB rompeu, sem qualquer tipo de constrangimento, uma aliança de 13 anos com o Governo Federal.

* Nada a ver com o processo de impeachment, afirmou o vice-presidente da sigla, Romero Jucá.

* Mas, os gritos da militância não deixaram dúvidas sobre as reais intenções do azulão:

* “Fora PT”, “Fora Dilma” e, sem cerimônias:

* “Brasil para frente, Temer presidente!”.

* Nem precisava dizer nada.

* Deputada Eliane Sinhasique, uma das mais empolgadas com a notícia, comemorou nas redes sociais:

* “Era uma aliança nefasta que degradava metade do nosso partido”.

* E sentenciou:

* “Na tarde de hoje, fizemos história”.

* De um leitor petista, chega uma reflexão um tanto diferente:

* “Hoje deve ser um dia ‘quase-histórico’: pela primeira vez, desde a redemocratização, o PMDB anuncia a saída do governo”.

* E conclui:

* “O dia ‘totalmente histórico’ seria ou será quando eles, de fato, largarem todos os cargos, incluindo a renúncia do vice”.

* Paixões e ideologias partidárias à parte, não deixa de ter razão.

* Embora os petistas, nem de longe, possam dizer que sofreram alguma “desilusão amorosa”…

* Sabiam muito bem com quem estavam se “casando”.

* E, na hora do divórcio, não deu outra: é guerra!

* Salve-se quem puder.

* Enquanto os partidos políticos se digladiam no vale-tudo pelo poder, a sociedade civil organizada, enfim, se mobiliza numa ação mais nobre e produtiva para as próximas gerações…

* Em solenidade ontem, na Procuradoria-Geral da República, o Ministério Público Federal apresentou a conclusão da primeira fase da campanha “10 medidas contra a corrupção”:

* A entrega de mais de 2 milhões de assinaturas de cidadãos brasileiros que permitirá que um projeto de iniciativa popular seja apresentado ao Congresso Nacional.

* Tratam-se de 20 propostas de alterações legislativas que visam aprimorar a legislação brasileira.

* Entre elas: a criminalização do enriquecimento ilícito; o aumento das penas e crime hediondo para corrupção de altos valores;

* Celeridade nas ações de improbidade administrativa; responsabilização dos partidos políticos e criminalização do caixa 2.

* Já seria um bom começo e, nas palavras do sub-procurador geral da República, Nicolau Dino:

* “Uma esperança coletiva de aperfeiçoamento dos sistemas de combate a este tipo de crime”.

* Mais urgente e providencial, impossível.

Assuntos desta notícia