Detentos do presídio de Quinari queimam colchões e tentam destruir celas durante rebelião

Um grupo de presidiários tentaram realizar na madrugada da última terça-feira, 22, um princípio de tumulto na Unidade Prisional de Senador Guiomard. Na ocasião, os detentos queimaram colchões e bateram nas grades das celas.

A fim de conter o tumulto, gentes penitenciários, policiais do Batalhão de Operações Especiais (Bope) e homens do Corpo de Bombeiros foram acionados para negociar com os detentos.

No final da manhã de ontem, o Instituto de Administração Penitenciária do Acre (Iapen/AC) divulgou nota de esclarecimento sobre o princípio de rebelião na unidade de Senador Guiomard.

De acordo com a nota, tão logo que os detentos iniciaram o motim, a direção da unidade agiu de forma rápida para evitar que a situação se transformasse em uma rebelião. “De imediato, foram tomadas todas as providências por parte da direção que acionou as equipes de intervenção prisional do Iapen/AC, Batalhão de Operações Especiais (Bope), que também contaram com o apoio do Batalhão de Polícia Militar do Quinari, além da equipe do Corpo de Bombeiros”, disse trecho da nota.

O motivo do tumulto seria a reivindicação de regalias como televisões dentro das celas e aumento do período de visita, além de pedirem melhoria na alimentação oferecida.

NOTA DE ESCLARECIMENTO

O Instituto de Administração Penitenciária do Acre (Iapen/AC) esclarece que não houve rebelião e sim um motim causado pelos detentos em três pavilhões da Unidade Penitenciária do Quinari (UPQ). De imediato, foram tomadas todas as providências por parte da direção que acionou as equipes de intervenção prisional do Iapen/AC, Batalhão de Operações Especiais (Bope), que também contaram com o apoio do Batalhão de Polícia Militar do Quinari, além da equipe do Corpo de Bombeiros. Vale ressaltar que não foi necessária a utilização de armamento letal ou não-letal. Não houve feridos. Quinze minutos após a intervenção, a situação foi controlada. Mas, os procedimentos na unidade continuam ao longo do dia de hoje (22). Três responsáveis pelo movimento já foram identificados. Neste momento, é realizada uma revista geral em todos os pavilhões.

Segundo o informado, o motim foi causado pelas seguintes motivos:

Aumento no tempo de horário de visita;

Aumento na quantidade de comida levada pelos familiares;

Televisões nas celas.

O Iapen/AC esclarece que, antes deste motim, ninguém procurou a equipe gestora do Iapen/AC, que só tomou conhecimento da questão por meio de uma carta entregue no fim de semana. A apuração daquilo que foi danificado, bem como a responsabilização por meio de procedimentos administrativos e criminais serão feitas após a conclusão das revistas que são realizadas neste momento nas celas da unidade.

Assuntos desta notícia