Polícia prende dois homens suspeitos de matar delegado

Valderlir e Antônio foram reconhecidos por pessoas que estavam com delegado
Valderlir e Antônio foram reconhecidos por pessoas que estavam com delegado

A Polícia Civil apresentou na manhã desta segunda-feira, 21, dois homens suspeitos de matar o delegado aposentado Félix Alberto da Costa, de 64 anos. Ele foi encontrado morto no último sábado, 19, com um tiro na nuca, em sua fazenda, localizada na Estrada Transacreana em Rio Branco.

Segundo o delegado Sérgio Lopes, responsável pelo caso, Valderlir Souza, de 27 anos, e Antônio da Conceição, de 25, foram reconhecidos por duas pessoas que estavam com o aposentando no momento do crime.

Lopes informou também que os suspeitos já tinham sido acusados pela vítima de furtar gado de fazendas. Ao chegar na residência de Antônio da Conceição, que é conhecido como “Negão da Socorro”, os policiais encontraram a arma do crime, uma espingarda calibre 28, segundo apontou o trabalho da criminalística.

Os suspeitos negam qualquer participação no crime. Antonio Conceição, apontado pelo delegado como autor do disparo que vitimou Félix Alberto, afirma que a polícia errou ao prendê-lo. “Passei cedo por lá com gado e não vi ninguém. Ele [delegado] me acusou de roubo de gado, mas não tinha nada contra ele. Me colocaram de ‘bucha’ porque já tinha um homicídio. Estava em casa no momento que tudo aconteceu”.

Valderlir Souza também nega envolvimento no assassinato. Souza diz que chegou a passar no local, mas não participou do crime. “Não tenho participação de nada, passei no local e me prenderam. Eu conhecia ele e não tinha nada contra”, alega.

O delegado afirma que através das provas, bem como a espingarda encontrada na casa de um dos suspeitos, não há dúvidas que foram os dois acusados os autores do assassinato ao delegado aposentado.

Execução
A filha da vítima, Michelle Papa, acredita em execução. Sem indicar quem poderia ter cometido o crime, Michelle diz que não acredita na hipótese de tiro acidental.

“Ao meu ver foi uma execução, porque não levaram nada. A carteira do meu pai ficou e a caminhonete também. Não se mexeu em nada somente o que foi tirado dele foi a vida”, disse.

O enterro do delegado aposentado ocorreu na manhã de ontem, no Cemitério Morada da Paz.

Assuntos desta notícia