DA REDAÇÃO 10/04/16

“Quem quer o impeachment quer que eu acabe com os programas sociais”.
(Dilma Rousseff, presidente do Brasil).

3º turno
Na avaliação do presidente do PT, professor Ermício Sena, o impeachment da presidente Dilma Rousseff, além de ser golpe (não há crime), representa o 3º turno das eleições.

Inconformado
De acordo com Sena, o senador Aécio Neves (PSDB) não se conforma com a derrota para Dilma Rousseff. Não assimilou a perda. É um homem rancoroso e muito vingativo.

Sem surpresas
Sobre os tucanos terem fechado posição a favor do impeachment da  presidente, Ermício Sena avalia que não há novidade nenhuma.

Novo governo
À saída do PMDB, para ele, deu a oportunidade da presidente Dilma reconfigurar seu governo em novas bases. Disse, ainda que se cassarem Dilma terão que arcar com as consequências.

Dois alvos
O vereador Raimundo Vaz, pré-candidato a prefeito pelo PR, disse que tem dois alvos em sua campanha: o PT e o PMDB. É como pode crescer para ir ao 2º turno.

Quem não decide
Todos os que apregoam candidatura única das oposições em Rio Branco não tem poder de decisão: Carlos Beirute (PR), Jose Bestene (PP) e Sérgio Petecão (PSD), desde que Marfisa Petecão seja a vice.

Quem pode falar
Os que podem falar e decidir sobre candidatura única são Tião Bocalom (DEM), Eliane Sinhasique e o deputado federal Flaviano Melo.

Não é Maria
Longe de ser “Maria vai com as outras”, o Diretório Municipal do PSDB não abre mão do nome de Francineudo Costa. O deputado federal major Rocha nada pode fazer.

Tem pavor
Quem também tem pavor de candidatura única e já declarou por várias vezes é o ex-prefeito Tião Bocalom.

O clube dos magoados
Vez por outra se ouve que os que eram da Frente Popular a exemplo de Petecão, Gladson, Henrique Afonso estão na oposição porque foram magoados pelo governo do PT.

Entenda
Para o cidadão comum, “mágoa” é quando alguém sofre uma ofensa. Na política a mágoa é porque cargos foram negados ou interesses pessoais contrariados.

Atingir o ápice
O Congresso Nacional brasileiro está a caminho do ápice. O festival de traições e venda de votos. O presidente da Câmara, deputado Eduardo Cunha (PMDB), é especialista em corromper pessoas.

Desfecho
É possível sentir que a Operação Lava Jato caminha para um grande desfecho. Se Eduardo Cunha não for afastado do cargo e preso com a mulher e filha, a Lava Jato pode virar uma ópera bufa.

Focada no PT
Não se pode negar a participação de segmentos do PT nos esquemas de corrupção, mas é fácil perceber que o foco principal das investigações é o PT.

Faz o que quer
A Câmara dos Deputados, infelizmente, virou o time de várzea do Eduardo Cunha. É o dono do time, do campo, da bola, do juiz e dos bandeirinhas.

De boa
O presidente nacional do PSDB, senador Aécio Neves, citado por vários delatores na Lava Jato, esgravata os dentes desafiando a Justiça.

Não se pode julgar
Já começam as críticas à ex-ministra do Lula, Marina Silva na suposição de que houvessem novas eleições. Marina, para alguns, seria um governo lento. Como se diz aqui “mais parado do que água de açude”. É cedo para julgar.

Lento, mas honesto
O ex-prefeito de Xapuri, Bira Vasconcelos (PT), que lidera pesquisas de opinião é tido como muito lento nas decisões. “É melhor ser lento e honesto do que arrojado e ladrão”, diz um de seus aliados.

Conscientes
Durante o encontro dos dirigentes partidários e pré-candidatos a vereadores da FPA, o prefeito Marcus Alexandre (PT) colocou com clareza os desafios de vencer a eleição este ano.

Tem de sobra
Para Marcus Alexandre, não será uma eleição fácil mas argumentos favoráveis se tem de sobra. A maioria absoluta das promessas foram cumpridas apesar de toda crise econômica.

Novo plano

Marcus Alexandre já começou a construir o novo plano de governo a ser apresentado a sociedade na campanha. Como cumpriu o primeiro tem crédito para apresentar o segundo.

Assuntos desta notícia