DA REDAÇÃO 14/04/16

“Se eu vencer vou propor um pacto com todos os partidos políticos, se perder sou carta fora do baralho. Vou lutar pelo mandato até o último minuto”.
(Presidente Dilma Rousseff)

Expôs na tribuna
O senador Jorge Viana (PT) expôs na tribuna do Senado ontem as condições em que o PSDB entregou o Brasil para o presidente Lula. Uma lástima!

Vão se arrepender
Na avaliação de Jorge Viana, se a presidente Dilma sofrer o impeachment muitos que emprestam sua honradez ao golpe armado pelo presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB), irão se arrepender.

Sem desculpas
Segundo Jorge Viana, a oposição não poderá inventar desculpas se não conseguir melhorar a economia e a vida do povo brasileiro se a presidente sofrer o golpe.

Não pode parar
Professores da FGV ava-liam também que ocorrendo a saída da presidente Dilma Rousseff, a Operação Lava Jato vai com maior intensidade para cima da classe política. Pode ser, mas também pode não ser.

A bola da vez
O provável suposto vice-presidente da República, Eduardo Cunha, foi aconselhado por aliados a pular fora da Câmara se Dilma for cassada. Os holofotes virão para cima dele. Holofotes do MPF e PF.

Não falou
Em seu discurso de posse antecipado o vice-presidente Michel Temer (PMDB) não falou em combate à corrupção. Muito estranho, já que é a pauta principal do país.

Está confiante
O governador Tião Viana (PT), que foi senador por 12 anos, está confiante de que o processo de impeachment será derrotado na Câmara.

Dando suporte
A bancada “BBB” na Câmara dos deputados (Bíblia, Bala e Boi) é o principal suporte político para o golpe armado por Eduardo Cunha. Essa é a ava-liação das principais lideranças do PT no Acre.

Muro da vergonha
É como está sendo chamado o muro em Brasília que divide a esplanada dos Ministé-rios e a Câmara Federal para os prós e contras o impeachment.

Fla X Flu
Na verdade a votação do impeachment da presidente Dilma se transformou em um Fla X Flu. Será no domingo, 17, as 14 horas de Brasília. Dia de jogo.

Está sendo
A ex-ministra do presidente Lula, Marina Silva, pode não ser, mas está sendo oportunista nesse processo. Era contra o impeachment. Preferia a cassação no TSE. Mudou de posição com a revoada.

Euforia no PMDB
Euforia entre os peemedebistas. Se Michel Temer assumir tem como certa a eleição da deputada Eliane Sinhasique para a prefeitura de Rio Branco.

Nomes ventilados
Nomes já são até ventilados para integrar a futura equipe de Eliane. Para quem a conhece deve ser a sua revelia.

Muita água
É cedo para os mais ousados prognósticos. Nem o mais inteligente analista político sabe como vão ficar as eleições municipais. Como se diz por aqui: “Muita água ainda vai passar por baixo da ponte”.

Tiro no pé
Vencer eleições para uma prefeitura quebrada, segundo o presidente do PDT, ex-deputado Luís Tchê, é bucha. O desgaste não vale a pena.

Bom exemplo
Em todas as prefeituras em que o PT administrava Tião Viana perdeu a eleição. Nos municípios que a oposição governava ele bamburrou de votos, inclusive Cruzeiro do Sul.

Situação ideal
A oposição em Brasileia já andava de mal a pior com a péssima gestão do prefeito Everaldo Gomes, do PMDB. Com a divisão com o PP do vereador Joelson Pontes, o PT de Fernanda Hassem está comemorando.

Não precisa
O PT de Brasileia não precisa transformar a ve-readora Fernanda Hassem em vítima. Ela já lidera muito bem as pesquisas.

Não se fala
Não se fala outra coisa na cidade a não ser a votação de domingo. Muitos reclamam da economia, mas não vêem motivos para Eduardo Cunha (PMDB) cassar a presidente.

Bolsa de apostas
Está aberta a bolsa de apostas para saber se a oposição terá candidato único em Rio Branco. A bolsa dos deputados estaduais de Santa Catarina é sobre o resultado do impeachment.

Dois pesos
Só é fisiologismo os cargos que o governo oferece aos partidos para votarem contra o impeachment. Os que Michel Temer está oferecendo se assumir não.

Conta outra

O senador Gladson Cameli dizia ontem que a corrupção tomou as entranhas do PT. E o seu partido, o PP, como fica na Lava Jato?

Assuntos desta notícia