Política nacional 01/04/2015

“Impeachment é ferramenta democrática e constitucional”.
Deputado Roberto Freire (SP), presidente nacional do PPS.

Acordão quer livrar políticos de Moro, como Lula
A decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de blindar  Lula do rigoroso juiz Sérgio Moro, da 13ª Vara Federal de  Curitiba, criou o precedente que o governo queria. O Palácio do Planalto trabalha há semanas em um “acordão” com setores da Justiça, para que políticos sem mandato (e sem foro privilegiado), como o ex-presidente, flagrados na gatunagem da Petrobras, sejam julgados no STF e não por Moro.

‘Conciliação’, o pretexto
Ministros do PT juram que o objetivo do acordão não seria livrar os políticos de condenações, mas abrir caminho à “conciliação nacional”.

Motivo real do conchavo
Como Lula, vários ex-deputados e ex-ministros, atualmente sem foro privilegiado, têm medo de ser julgados pelo juiz Sérgio Moro.

Mão pesada de Moro
Como Lula, o Planalto acha que o juiz federal criminal Sérgio Moro, ao contrário dos ministros do STF, condena à prisão sem hesitações.

Ministro Fux avisou
O risco de precedente, pelo qual o Planalto se empenhava, aberto ontem com a blindagem de Lula, foi citado no voto do ministro Luiz Fux.

Odebrecht decidiu encolher R$ 12 bilhões em 2016
Atingida em cheio pelas investigações da Lava Jato, a Odebrecht decidiu passar por “lipoaspiração”, diminuindo de tamanho. A empresa pretende vender, até dezembro, ativos no Brasil e no exterior que avaliados em R$ 12 bilhões. Já estão sendo oferecidos a eventuais interessados, investimentos no setor de energia, incluindo seu parque eólico, e a participação nas obras da hidrelétrica de Santo Antônio.

Quem dá mais?
A Odebrecht também quer vender suas empresas de sa-neamento, uma obra de uma rodovia no Peru, considerada de grande porte, e outras.

Mais demissões
O grupo Odebrecht tinha mais de 180 mil funcionários até 2014, mas hoje eles totalizam 128 mil. E haverá ainda mais demissões.

Cresceu, acredite
O faturamento bruto da Odebrecht cresceu de R$108 bilhões em 2014 para R$ 130 bilhões em 2015, mesmo com todo o rolo da Lava Jato.

Operação sórdida
O setor empresarial paulista está ansioso por detalhes da delação do ex-deputado mensaleiro Pedro Corrêa (PP) sobre a compra de votos para a reeleição de FHC. Ele disse que o banqueiro Olavo Setúbal distribuía “vale-dólar” à saída do plenário, para quem votava a favor.

Dilma quem?
Ao microfone, os sindicalistas que lideravam hordas de pobres diabos, laçados nas periferias, xingavam a rede Globo e pediram até “SUS para todos”. Quase não havia faixas e bandeiras em defesa de Dilma.

Lula lá, com a zelite
Enquanto os manifestantes lanchavam debaixo do sol escaldante de Brasília, Lula permanecia no bem-bom, do ar-condicionado do hotel de cinco estrelas Golden Tulip. Endereço, aliás, manjado na Lava Jato.

Mal me quer
O deputado Jerônimo Goergen (PP/RS) telefonou ao ministro Marcelo Castro (Saúde) para brincar com sua aflição. “Não se preocupe, o PP não quer seu ministério. Quem não quer você é o governo”, brincou.

Barbosa como alvo
Na manifestação contra o impeachment, em Brasília, entidades como CUT, CTB e MST exibiram faixas exigindo a cabeça do ministro petista Nelson Barbosa (Fazenda) contra o ajuste fiscal.

Eles não sabem
Manifestantes pró-Dilma pararam no tempo. Boa parte das faixas na manifestação de ontem, em pleno 2016, pedia o “fim da ditadura”. Não pareciam saber que a ditadura acabou em 1984, nas eleições de 1989.

Ei, você aí
O Planalto mandou sondar a direção do PRB para saber se admitiria retornar ao governo, mesmo após anunciar rompimento com Dilma, garantindo que seus 21 deputados vota-riam contra o impeachment.

Excesso de crime
Foi uma aula a apresentação, na Câmara, de Janaína Paschoal, autora do impeachment. “Dizem que impeachment sem crime é golpe, mas temos aqui excesso de crime”, disse, para delírio da oposição.

Pensando bem…
…Dilma passou o dia ao telefone oferecendo mundos, fundos e cargos, para tentar escapar do impeachment. Só faltou oferecer o seu.

Assuntos desta notícia