Política Nacional 05/03/2017

“O senador não fez tal pedido”

Ex-presidente FHC em defesa de Aécio Neves, acusado de pedir dinheiro no caixa 2

Para Temer, mal que o PT fez é ‘incalculável’
Não há um só dia que deixe de chegar ao presidente Michel Temer algum novo “jabuti em cima de árvore”, no governo federal – de privilégios para grupos de servidores, de custo insuportável ao Tesouro Nacional, à aprovação de leis e medidas provisórias para atender ao lobby de empresários amigos. Temer desabafou em conversa com esta coluna: “O mal que os governos do PT fez a este país é incalculável!”.

Mão de gente petista
O adágio popular ensina que jabuti (ou cágado) não sobe em árvore, por isso, se está lá, “é enchente ou mão de gente”.

Balcão de negócios
Impressionam Michel Temer as revelações sobre a compra e venda de medidas provisórias no balcão de negócios dos governos Lula e Dilma.

MP por R$50 milhões
Em depoimento esta semana, Marcelo Odebrecht disse ter comprado a MP do Refis por R$ 50 milhões, para beneficiar sua empresa Braskem.

Zelotes viu primeiro
A venda de medidas provisórias para beneficiar empresas do setor automotivo já apareceu na Operação Zelotes, que investiga o Carf.

Ditadura acabou. Mas seu foro privilegiado, não
O foro privilegiado nasceu durante o regime militar para resguardar o direito e a vida de congressistas que faziam oposição à ditadura. Na ocasião, fez sentido. Mas, décadas depois do fim do regime, o foro privilegiado virou instrumento de proteção para autoridades acusadas de crimes de corrupção. O presidente da Ajufe (Associação dos Juízes Federais), Roberto Veloso, espera o fim do foro ainda para este ano.

Corte criminal
A Ajufe defende o fim da prerrogativa de foro inclusive para juízes. Essa prerrogativa fez do Supremo Tribunal Federal uma corte criminal.

Primeira instância
Para Roberto Veloso, “todos devem ter foro na primeira instância a partir da competência dos crimes cometidos”.

Todo mundo junto
Políticos são contra o fim do foro privilegiado, claro. O senador Romero Jucá (PMDB-RR) até disse que a “suruba” tem de valer para todos.

Ponto de vista
Enquanto a previsão de crescimento de 0,48% no PIB brasileiro para 2017 é vista por aqui como “tímida recuperação”, a Itália comemora a alta de 0,9% em 2016, o maior crescimento desde 2010.

Resultado da leniência
Apesar da Lava Jato, das prisões de seus principais executivos e até da seu ex-presidente, a empreiteira Odebrecht continua faturando, e muito. Levantamento do diário americano Wall Street Journal coloca a empreiteira brasileira como a 6ª maior construtora do mundo.

Roubou, levou
O mega-acordo de leniência que livrou a empreiteira Odebrecht de punição mais severa, também permitiu que a empresa voltasse a contratar com o poder público. Basta pagar as multas.

Figura conhecida
O desembargador Francisco Cavalcanti, que no STF pede auxílio-moradia mesmo sendo aposentado, ainda na ativa foi acusado de usar carro oficial durante um feriado, na praia de Boa Viagem, Recife.

Bola de ferro no tornozelo
As mais de 3 milhões de ações trabalhistas no Brasil representam 98% de ações do gênero em todo o planeta. É que no Brasil virou um ótimo negócio. E permite aos ativistas promover o “justiçamento” social.

Sonho distante
Caso consiga emplacar na Casa Civil do governo Michel Temer, Rodrigo Loures será substituído pelo segundo suplente de Osmar Serraglio, Teruo Kato, também do PMDB. Mas isso é improvável.

Pátria educadora
O Ministério da Educação gastou R$ 7,3 milhões com propaganda só em dezembro de 2016. Em novembro, o gasto com a área havia sido de R$ 2,2 milhões. Em dezembro de 2015, foram R$ 2,735 milhões.

Tempo integral
O secretário de Educação do Acre, Marcos Brandão, pretende implantar ensino em tempo integral em sete escolas de ensino médio. A ideia é que os alunos permaneçam na escola de 7h30 até 17h.

Pensando bem…
… em época de declaração de imposto de renda, os 12,3 milhões de desempregados estão com dificuldade de achar renda para declarar.

PODER SEM PUDOR
Hamlet brasileiro
O médico Maurício Lacerda Filho visitou o irmão Carlos Lacerda no cárcere, em 1968, depois do AI-5, tentando convencê-lo a desistir da greve de fome:
– Não estou aqui para falar como médico, nem mesmo como irmão. Vim trazer uma palavra de lucidez. Esta greve de fome é uma loucura!
Lacerda só desistiu do jejum ao ouvir um argumento poderoso:
– Acabe com esta besteira. Você está querendo bancar o Hamlet na terra de Dercy Gonçalves?
Com André Brito, Jorge Macedo e Tiago Vasconcelos
www.diariodopoder.com.br

Assuntos desta notícia