Vítima da vacina do HPV passa mal  na Aleac; deputados cobram tratamentos fora do Estado

“Nós precisamos levar essas crianças para fora do Estado para diagnosticar o que realmente que está acontecendo”. A frase é do deputado estadual Roberto Duarte (MDB), ao comentar o caso das adolescentes que adoeceram após vacina do HPV durante sessão ordinária na Assembleia Legislativa do Acre (Aleac), na terça-feira, 26.

“Não adianta mais discutimos essa situação no Acre. Aqui não vamos dar mais respostas (…) Já tivemos várias reuniões, e nada foi resolvido. O atendimento a essas meninas é precário. Não fazem os exames, não tem remédio disponível. A situação vai piorando a cada dia”, desabafou o emedebista.

Duarte cobrou do Governo do Estado uma medida mais enérgica.  “O Estado precisa tomar uma atitude. Infelizmente, eu sou limitado. Temos que criar um mecanismo. O governador precisa se posicionar. As mães sofrem, as crianças sofrem. Aqui essas mães não vão encontrar a solução para seus problemas, infelizmente”.

O deputado Jenilson Leite (PCdoB) também comentou sobre o assunto. “Precisamos que o governo assuma esse assunto. A campanha nacional é de responsabilidade do Ministério da Saúde. Precisamos saber se a vacina é ou não o problema. O governo precisa assumir o protagonismo e chamar o Governo Federal para dançar”.

Enquanto o debate ocorria no plenário do parlamento estadual, a jovem Vitória Daniele, de 16 anos, que acompanhava seus pais em mais um protesto na Aleac, começou a convulsionar. A garota também tomou a vacina e, desde então, tem tido problemas de saúde.

Vitória, que é cadeirante, foi socorrida pelo deputado Jenilson Leite, que também é médico. Posteriormente, foi levada ao Hospital de Urgência e Emergência de Rio Branco.

Após o ocorrido, os pais das vítimas da vacina HPV cobraram respostas efetivas ao problema. “Queremos respostas. Queremos um tratamento adequado para os nossos filhos. Queremos que o Estado se posicione. Chega de tanto menosprezo diante de uma situação tão séria. Estamos falando de vida”, disse uma das mães presentes na Aleac.

Diante da situação, a deputada Antônia Sales (MDB) sugeriu a criação de uma comissão, a ser formada por pais e deputados, para dar início a uma nova tratativa entre o parlamento estadual e federal.

“No dia 29 de março teremos um seminário no Acre onde teremos a Ministra da Família, Damares Alves. Sugiro que formemos uma comissão e junto com as senadoras, deputadas da bancada acreana façamos um movimento para sensibilizar o governo federal. Precisamos fazer algo, urgente”.

Roberto Duarte (MDB)
Assuntos desta notícia