Agora a Educação em crise

Se ainda havia algum setor neste Governo que estava funcionando a contento era o da Educação, mas poderá também entrar em crise com sérias consequências para os milhares de estudantes e professores.

O ano letivo, marcado para começar na próxima segunda-feira poderá ser adiado com uma greve dos professores “por tempo indeterminado”.  Ao invés de começar as aulas, o Sindicato da categoria marcou uma greve, justamente, para a próxima segunda-feira para debater algumas reivindicações da categoria não atendidas até agora pelo Governo e deliberar sobre a greve.

Entre outras reinvindicações, os professores exigem o auxílio alimentação no valor de R$ 500,00 e o pagamento do Prêmio de Valorização Profissional do Desempenho (VDP) que há muito tempo vem cobrando do Governo sem o devido atendimento.

Enquanto isso, o governador, ao seu estilo, vive a propagar que custeará do próprio bolso duas mudas de uniformes aos alunos que até agora não receberam nenhuma muda.

Evidentemente, que a deflagração de uma greve “por tempo indeterminado” trará sérias consequências para os milhares de estudantes e, por consequência, também aos professores, com todos os benefícios que o ensino e a Educação representam,

É de se esperar, portanto, que até segunda-feira, o Sindicato da categoria e o Governo sentem a mesa para conversar. Da parte dos professores sem radicalismo e do Governo sem promessas e honestidade sobre o que pode ou não atender as reivindicações.

Assuntos desta notícia