Chefe de RH de prefeitura é preso em casa com veículo oficial

O chefe de Recursos Humanos da Secretaria de Saúde de Sena Madureira, interior do Acre, foi preso por suspeita de peculato. O servidor foi flagrado carregando várias latas de tinta e massa acrílica em um carro oficial da secretaria.

O flagrante ocorreu na tarde de quinta-feira, 30, pelas polícias Civil e Militar do Acre na casa do servidor. Não foi arbitrada fiança e ele permanece preso na delegacia da cidade.

O delegado Marcos Frank, responsável pelo caso, disse que a polícia já tinha recebido denúncias anônimas alertando sobre o uso indevido do veículo oficial por parte de servidores para fins particulares.

“Já tinham algumas denúncias nesse sentido e prática. Ontem [quinta,30] teve uma barreira policial e ele foi surpreendido trazendo esse material de construção para a casa dele. O carro é caracterizado, tem o adesivo de ‘uso exclusivo em serviço’”, complementou.

A reportagem não conseguiu contato com o advogado do servidor público.

Carro retirado – O secretário de Saúde do município, Daniel Herculano, falou que não foi notificado oficialmente sobre a prisão até esta sexta, 31. Porém, ele contou que teve conhecimento da prisão e foi até a delegacia retirar o veículo.

“Por ser um município pequeno, fui lá de manhã pegar o carro e conversei informalmente com o delegado, não fui intimado. Me entregou o carro porque não há nenhum problema”, acrescentou.

Herculano explicou que o servidor viajou para Rio Branco, na quinta, a serviço da secretaria e também para fazer uma consulta médica. Na volta para o interior, o servidor passou em uma loja de material de construção e comprou a tinta e a massa acrílica.

“O que causa estranheza é que quando chegou em Sena Madureira estava tendo uma blitz na ponte, pararam ele, mas não fizeram a apreensão nessa hora. Ele seguiu o percurso, foi deixar uns documentos na casa da minha secretária e foi para casa dele. Não estava na cidade e só soube da notícia”, relembrou.

O secretário afirmou que o servidor é comissionado há mais de três anos. Herculano alegou que abriu um procedimento administrativo para apurar a conduta do servidor e encaminhou um ofício para a Procuradoria da Justiça e para prefeitura da cidade.

“Sempre prestou o serviço com responsabilidade. É um pai de família, é um senhor, não tem passagem e é pessoa de boa índole. A polícia tem que fazer o papel dela, mas acho que deveria ter tido outra atitude”, garantiu. ( Do G1-AC)

Assuntos desta notícia