Coluna Da Redação – 06/02/2020

Mesma pisada

O tema Segurança Pública voltou a pautar os debates na Aleac. A morte do subtenente Amarildo, da Polícia Militar do Acre, que foi ferido em confronto com criminosos quando chegava em sua residência no começo da semana e estava internado no Pronto Socorro, trouxe o sentimento de revolta e a necessidade de providências imediatas.

Em sintonia

Em sintonia com a Câmara de Vereadores de Rio Branco, a Assembleia Legislativa do Acre fez o pedido de intervenção federal na Segurança Pública do Acre. A cada dia o apelo ganha força. Nas ruas não se comenta outra coisa senão sobre Segurança Pública, ou melhor, insegurança.

 Uma aula

O deputado Daniel Zen deu uma aula ontem a respeito das organizações criminosas no Brasil. O discurso de Zen sempre polido contribui para entendermos a dinâmica que isso tem lançado mão no Brasil e quais as saídas a curto, médio e longo prazo devem ser adotadas.

 Correto

O deputado Edvaldo Magalhães (PCdoB) segue uma linha mais prática das coisas. Experiente, sugeriu que o deputado Nicolau Júnior esqueça os discursos e parta para a prática. Ou seja, determinando que as comissões se reúnam e apreciem todos os projetos voltados para a Segurança. Um pacote de medidas deve ser entregue ao governador Gladson Cameli. A instalação do Conselho de Estado poderia ser uma das ferramentas.

 Solidariedade

Os deputados Jonas Lima e Daniel Zen, do PT, fizeram um gesto nobre. Ambos se solidarizaram com o deputado Roberto Duarte (MDB) a respeito das ofensas que o emedebista vem sofrendo nas redes sociais. Circula um vídeo nas redes sociais em que Roberto Duarte é colocado de forma maldosa como participante de uma política que não condiz com a realidade.

 Mil maravilhas

O deputado Manoel Moraes foi a tribuna ontem para elogiar a gestão da Maternidade Bárbara Heliodora. A verdade é que a unidade não está as mil maravilhas, mas melhorou muito. Não se houve mais relatos de omissão ou atendimento deficitário na maior maternidade do Estado. Melhorando. Aos poucos, o secretário Alysson Bestene consegue dar respostas à população.

 Ficou ruim

O governador Gladson Cameli errou quando terceirizou o comando da Segurança Pública. Ao entregar para o vice a missão, criou um mal-estar dentro da administração. Tem vontade de fazer mudanças e não pode fazer porque está condicionado ao vice. Ou ele vem a público e assume a pasta ou será cobrado sempre neste fogo cruzado.

 À distância

O presidente do Iapen, Lucas Gomes, entrou na mira para ser demitido do governo. Mesmo com Gladson em Brasília, ele foi chamado na Casa Civil, onde teve uma conversa com Ribamar. Trindade foi quem anunciou o corte. A palavra final depende apenas do governador Gladson Cameli. Lucas estava fazendo uma administração razoável, não há razões para tirá-lo do governo.

Cadê o líder?

Ontem, o deputado Gehlen Diniz já trabalhava como se estivesse fora da liderança. Preferiu evitar o desgaste com os colegas. Não foi para o embate. A saída de Gehlen da liderança parece ser questão de dias. O progressista tem sonhos maiores em vista. A presidência da Assembleia seria um deles, será?

Respostas

A Segurança Pública do Acre não pode ficar inerte. É preciso solucionar os crimes, elucidar. Uma força-tarefa deve ser feita no sentido de identificar a autoria dos delitos. Não se combate o crime sem elucidação. O Judiciário não pode julgar sem apresentar materialidade e autoria.

Assuntos desta notícia