Os nossos “coronavírus”

Como já se assinalou, é de todo recomendável que os setores de Saúde do Estado estejam atentos e tomem medidas preventivas contra o coronavírus, esta doença que está atemorizando o mundo inteiro, mas é de todo recomendável também que as autoridades do Estado têm algumas questões que continuam atingindo a população e provocando mortes.

Uma delas, para ficar na área da Saúde, é a dengue que, praticamente, já se tornou uma epidemia em todos os municípios, registrando-se mais de 2 mil casos e em Cruzeiro do Sul quatro pessoas já morreram contaminas pela doença.

Todos – autoridades e a população – já sabem oque fazer para prevenir e combater a doença com medidas simples, que se resumem em saneamento básico, como o tratamento  de esgoto e água parada e a limpeza de quintais e tapar as caixas d’água. Contudo, não é o que faz e a doença vai se proliferando e matando.

A outra questão – e esta mais grave ainda – é a criminalidade que também tomou do Estado e o somatório de mortes  cometido pelas facções criminosas em apenas no mês de janeiro, segundo  dados apurados,  somam mais de 40 (!), com todas as consequências que já se conhecem.

Sobre esta questão, o governador e as autoridades de Segurança Pública estão batendo cabeça e resistem em  admitir que a causa principal são as fronteiras que continuam escancaradas para a entrada do narcotráfico que alimenta as facções criminosas. Sem um Plano Nacional Integrado entre forças nacionais e local, vai-se continuar enxugando gelo e a matança continuará para o temor da população que se sente trancafiada em suas casas.

Assuntos desta notícia