Proibido pelo CRM de fazer cirurgias, Stanley Bittar viaja com a família para os EUA

O médio Stanley Bittar, conhecido como Dr. Hollywood, está proibido de fazer cirurgias plásticas e procedimentos médicos pré e pós operatórios pelo período de seis meses. A decisão do Conselho Regional de Medicina do Acre (CRM-AC) ocorreu após denúncia de uma paciente.

Segundo a decisão do CRM, existe prova inequívoca da realização de procedimento danoso realizado pelo médico, com fundado receio de dano irreparável ou de difícil reparação. O conselho não divulgou detalhes do caso.

O clínico geral se apresenta como cirurgião plástico, mas, segundo seu registro no CRM, ele não possui especialidades registradas. Bittar também divulga nas redes sociais que é um médico nutrólogo.

O afastamento do médico ganhou as manchetes da imprensa local nesta sexta-feira, 7, um dia após ele viajar com a família para Miami, nos Estados Unidos. A informação foi divulgada em sua rede social.

De acordo com o advogado do médico, Tobias Meirelles, a defesa irá recorrer da decisão do CRM. “A gente entende que foi precipitada essa decisão. A gente está entrando com mandado de segurança para derrubar essa liminar e estamos também fazendo um recurso junto ao CFM”.

Já com relação ao possível exercício ilegal da profissão, o advogado explica que qualquer médico com CRM pode atuar em qualquer especialidade. A informação também foi confirmada pela presidente do CRM-AC, Leuda Dávalos.

“O médico com CRM pode atuar em qualquer área que quiser e que se sintam habilitado para isso, porém, ele tem que assumir os riscos de atuar em uma área que ele ainda não é especialista e foi o que aconteceu. O Stanley estava fazendo procedimentos relacionados a cirurgia plástica, ele assumiu os riscos”, disse.

Polêmicas

Essa não é a primeira vez que o médico se envolve em polêmicas. Amais recente ocorreu ano passado, quando uma professora de 33 anos entrou com uma ação contra Bittar após realizar uma cirurgia de mini abdominoplastia e mini lipoaspiração. Outra paciente chegou a denunciar o profissional ao CRM por ter sofrido sequelas/deformações nos seios depois de procedimento cirúrgico. (Com Informações G1 AC)

 

Assuntos desta notícia