Irmão de arquiteta que teve coronavírus produz jalecos para doar a equipes da Saúde

O empresário Adalberto Moretto cedeu sua fábrica de café para ajudar no combate à pandemia de Covid-19 no Acre. Ele fez uma parceria com o pessoal da Universidade Federal do Acre (Ufac) e está confeccionando equipamentos de proteção individual para os servidores da Saúde se prevenirem da doença.

Seis funcionários se dedicam à produção dos aventais descartáveis (Foto: Acervo pessoal)

Sua fábrica tem uma produção diária de cerca de 30 de jalecos descartáveis. Mas a meta é ampliar essa meta para 40 jalecos por dia. Ao todo, mais de 240 jalecos já foram produzidos.

Cerca de 6 funcionários da fábrica se empenham nesta produção. Três foram cedidas da empresa e outros três foram contratados.

Alberto começou a ajudar após ver de perto a aflição de quem tem a doença. Ele é irmão da arquiteta Rose Moretto, 50 anos, que foi uma das três primeiras pessoas a testar positivo para o novo coronavírus no Acre, após voltar de um evento para arquitetura em São Paulo. Rose ficou 12 dias com a doença, mas já recebeu o diagnóstico de que estava curada da doença no dia 29 de março.

Ele conta que foi procurado pela equipe da Ufac para colaborar, desenvolvendo uma máquina para fazer esse avental de plástico. Alberto já tinha experiência em produção de porte industrial e a situação com sua irmã não lhe deixou em dúvida. Ele quis ajudar.

“Com certeza, o fato de minha irmã estar doente fez eu me empenhar muito mais para ajudar o próximo. Isso está no sangue da gente: fazer o bem sem olhar a quem”, declarou ele, ao site de notícias do G1 Acre.

Desde então, ele aprendeu a seguir todas as orientações para as devidas medidas de higienização e destinou um espaço exclusivo no seu estabelecimento para a produção dos jalecos.

Assuntos desta notícia