Três servidores de depósitos de merenda da Secretaria de Educação foram presos em operação

O secretário estadual de Segurança Pública, Paulo César e o delegado geral de Polícia Civil, Henrique Maciel, deram coletiva às 10h da manhã de hoje, dia 9, para esclarecer detalhes da Operação Mitocôndria. A ação policial desmantelou um esquema de corrupção que poderia chegar à R$ 22 milhões em desvios da merenda escolar da rede pública.

Outro delegado presente na coletiva, Alcino Júnior, um dos responsáveis pelo caso na Delegacia de Combate à corrupção (Decor), informou que, até o presente momento, foram presos três servidores públicos. Todos eram encarregados pelos depósitos da Secretaria de Educação (SEE) nos municípios em que o esquema foi apurado.

Além do filho do empresário Cristian Silva, filho do deputado Manoel Moraes, os delegados confirmaram que há outro suspeito foragido. A polícia faz buscas para localizá-lo.

Os gestores presentes na coletiva declararam que a operação não tem viés político-partidário. Foi um pedido do governador Gladson Cameli, tão logo tomou ciência da denúncia da Polícia Civil, e, com aval do Ministério Público do Estado e do Judiciário, determinou que se apurasse os fatos.

Os desvios ocorriam na entrega dos produtos, alguns eram de qualidade inferior ao que estava previsto em contrato, e outros alimentos sequer eram fornecidos. As suspeitas são de que estas irregularidades tenham ocorrido na Capital e em vários outros municípios, como Cruzeiro do Sul, Tarauacá e em Sena Madureira.

Mais documentos estão passando por perícias criminais, portanto, não estão descartadas novas prisões e nem mandados de buscas e apreensões em relação ao caso.

Assuntos desta notícia