ARTIGO – Gravidez e a pandemia do coronavírus

Em tempos de pandemia do Coronavírus a vida de fato não para. As mulheres engravidam, vivem a gravidez, e os bebês nascem. Todos os dias!

As grávidas recentemente passaram oficialmente a fazer parte do grupo de risco, e por isso os cuidados de prevenção precisam ser rigorosamente tomados. Em especial aquelas que possuem alguma outra doença que por si só já as colocariam no grupo de risco, como por exemplo, diabetes, hipertensão ou doenças respiratórias.

Quando a mulher engravida, há uma série de mudanças no seu organismo, e uma delas é diminuição da atividade do sistema imunológico, para que o bebê, desde a fecundação, possa ser abrigado e não expulso do organismo da mamãe. Se esta diminuição de atividade do sistema imunológico não acontecesse, o organismo das mulheres rejeitaria e “expeliria” o embrião como um “corpo estranho” por identificá-lo como um possível causador de doença no seu corpo.

A grávida pode ficar doente mais facilmente, ao contrair um vírus como o Coronavírus? E depois do nascimento do bebê?

Sim, durante o período de gestação e até 6 semanas após o parto, aproximadamente, a mulher pode ficar doente mais facilmente ao contrair um vírus, como o Coronavírus.

Pelo fato de estar mais frágil, o cuidado da mamãe com a sua saúde tem que ser muito maior. Os cuidados que qualquer pessoa geralmente tem com o seu corpo devem ser redobrados durante este período: alimentação, sono, higiene, tratamento de doenças pré-existentes e, claro, o acompanhamento pré-natal.

Por isso, todas as medidas que as pessoas devem adotar neste momento para evitar se contaminar com o Coronavírus, precisam ser observados de forma ainda mais responsável e intensa pelas grávidas:

. manter o isolamento social;

. não colocar as mãos na boca, olhos ou nariz;

. higienizar com frequência as mãos lavando-as e utilizando álcool gel;

. se for necessário sair de casa, SEMPRE usar máscara;

. lavar ou higienizar frutas, verduras, e utensílios, em especial os que terão contato com a nossa mão durante o momento de cozinharmos ou de comermos;

. os mesmos cuidados acima devem ser tomados pelas pessoas que convivem ou têm contato frequente com a grávida.

 

Mas e como fica o pré-natal? A grávida deve ir ao consultório médico para realizá-lo. Pode ir a menos consultas? Dá pra fazer a consulta pela Internet?

A saúde integral da mulher precisa ser sempre avaliada e tratada considerando uma quantidade muito grande de fatores e detalhes. E muitos destes detalhes dependem da avaliação clínica, aquele exame físico que realizamos nas consultas. Esta avaliação precisa ser feita especialmente no caso das grávidas, onde outros problemas de saúde podem afetar diretamente a saúde e a vida da mamãe e do bebê, como o aumento muito rápido e grande de peso corporal, aumento da pressão arterial, sinais de infecções ginecológicas e outras infecções, mesmo as causadas por vírus.

O intervalo entre as consultas definido pela sua médica ou médico deve ser cumprido com responsabilidade pela futura mamãe.  Muitas vezes, alguns problemas de saúde podem representar um grande risco para a mamãe e para o bebê neste período. Um contato por telefone com a sua médica ou seu médico pode ajudá-la a decidir pela ida ou não a um pronto socorro.

Os casos de Coronavírus em grávidas e puérperas (mulheres que deram à luz) costumam ser mais graves? O Coronavírus pode motivar um parto prematuro ou uma má formação? Se eu contrair o Coronavírus meu bebê contrairá também?

80 a 85% dos casos das grávidas ou puérperas com Coronavírus, sem outras doenças classificadas como de risco, apresentam sintomas leves, como as demais pessoas. Mas ninguém quer fazer parte dos 15 ou 20% que podem ter sintomas graves e complicações. Por isso a prevenção é fundamental!

Toda e qualquer infecção viral mais grave pode desencadear um parto prematuro, devido à reação inflamatória do organismo. Portanto os riscos de um parto prematuro serão maiores ou menores dependendo da gravidade da infecção por Coronavírus.

Não há qualquer evidência de que possa haver contaminação ou má formação do bebê durante a gestação devido à mamãe estar com Coronavírus.  Quanto ao aleitamento materno, já há evidência científica de que não há contaminação do bebê no caso da mamãe estar com o Coronavírus. Mas obviamente os cuidados com o bebê deverão ser maiores para que não haja contágio pela proximidade da mamãe com o seu filho.

Enfim, ainda é uma doença nova no nosso meio. Os estudos são recentes, os pesquisadores, médicos e epidemiologistas estão buscando respostas para muitas questões como tratamentos, medicamentos e métodos de diagnósticos da doença. Muito ainda está por ser descoberto; protocolos de condutas médicas mudam todos os dias. Vacinas ainda estão sendo pesquisadas e estudadas, e levará algum tempo para serem amplamente adotadas. No entanto, é possível que estejam disponíveis antes dos prazos normalmente observados devido ao grande número de cientistas no mundo que estão trabalhando seriamente no assunto, mas mesmo que consigam desenvolvê-la rapidamente, ainda levará muitos meses para serem testadas e para chegarem à população. Por enquanto o uso de máscaras, afastamento social e cuidados com a higiene é o que tem se demonstrado ser o mais eficaz na prevenção dessa doença ainda tão desconhecida.

* Dra Elis Nogueira é ginecologista e Obstetra. É membro da SOGESP (Sociedade de Obstetrícia e Ginecologia do Estado de São Paulo), APM (Associação Paulista de Medicina) e FEBRASGO (Federação Brasileira das Sociedades de Ginecologia e Obstetrícia). Faz parte do corpo clínico dos hospitais Albert Einstein, São Luís Itaim, Sírio Libanês , Santa Catarina, São Luís Morumbi, Oswaldo Cruz, ProMatre, Santa Joana entre outros.

Assuntos desta notícia