Coluna Theodoro – 12/05/2020

Queda livre

Em meio à pandemia do novo coronavírus, o governo Jair Bolsonaro perdeu apoio de parte da população e atingiu as piores avaliações da sua gestão e pessoal desde que assumiu o cargo. É o que mostra pesquisa da Confederação Nacional do Transporte (CNT) com o Instituto MDA divulgada nesta terça-feira, 12.

Queda livre II

A fatia dos avaliam o governo como ótimo ou bom passou de 34,5% para 32% entre janeiro e maio deste ano. A soma de ruim e péssimo cresceu de forma mais expressiva, registrando um aumento de 31% para 43,4% em quatro meses o maior porcentual negativo nos quatro levantamentos feitos durante o governo Bolsonaro. Aqueles que avaliam o governo como regular eram 32,1% e, agora, são 22,9%.

 Grita

No Dia Mundial da Liberdade de Imprensa, bolsonaristas reunidos defronte o Palácio do Planalto em mais um ato antidemocrático contra o Congresso e o STF — e que contou com a presença e apoio do presidente Bolsonaro — atacaram repórteres do jornal “O Estado de S. Paulo” a socos e pontapés. Juristas e políticos de todos os partidos repudiaram as agressões. Entre eles, a ministra do STF, Cármen Lúcia. Ela disse que a violência foi “inacreditável e inexplicável”.

Debaixo do tapete

O deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ) já tem mais de 30 pedidos de impeachment sobre sua mesa na Presidência da Câmara e a pergunta que todos fazem é: por que ele ainda não analisou nenhum? Talvez todos preencham os dispositivos constitucionais para se dar início ao processo de afastamento do presidente. Mas, se isso é verdadeiro, por que Maia não deflagra o processo? A questão foi recentemente levantada pelo jurista Ives Gandra Martins, que analisou o impeachment de Collor e foi autor do processo de impedimento de Dilma. Segundo ele, a questão jurídica é a mais simples em uma ação dessa natureza, pois Bolsonaro infringiu várias leis, ao interferir na PF ou ao incentivar atos contra o Congresso e STF.

Nome forte!

O Instituto Paraná Pesquisas mostra que Moro é o único que pode enfrentar Bolsonaro caso as eleições fossem hoje. O atual presidente tem 27% nas pesquisas, enquanto Moro tem 18,1%. Haddad, do PT, tem 14%. A diferença
é que Bolsonaro é rejeitado por 48,6% e Haddad, por 63,1%, enquanto Moro tem mais espaço para crescer, por ter baixa rejeição.

Nome forte II

O ex-ministro só pode disputar a eleição, porém, se estiver filiado a algum partido até março de 2022. Ofertas não lhe faltam. Quatro partidos se oferecem para abrigá-lo: o Podemos, do senador Álvaro Dias; o PSL, de Luciano Bivar e Joice Hasselamann; o Patriota, de Adilson Barroso; e o Novo, de João Amoêdo, que também pensa em ser candidato.

Todos os parabéns para a minha amiga Felisbela Janete Lacerda Sales,curtindo o Dia das Mães com a Sra Jane,Sabrina, Sarah Sandra e Sarah Alessandra.

Que foto linda da colunista Giuliana Evangelista com a mãe Eva Evangelista

A Top Model ElineJucá com o esposo, curtindo merecidas férias em Florianópolis

Jocely Abreu celebrando o Dia das Mães com sua princesa, Maria Valentina

Uma mulher que merece todos os elogios: a professora Maria José Bezerra, uma mãe e profissional maravilhosa!

Meu grande amigo Ronaldo Teles curtindo o carinho de sua mãe

Mesmo com saudade vale a lembrança. Aqui minha querida amiga Flora Diógenes com a família

Ana Maria Coelho, exemplo de mãe e amiga maravilhosa

Em ritmo de flashback, o procurador Tito Costa com mãe Nabirra Carvalho

Sempre linda,Vandeci Coelho com o filho Wolney Paiva

Hélio Viana com a família paparicando a mãe Nilda Viana, na área de lazer da família

Assuntos desta notícia