ARTIGO – Dia a dia 

A vida é um desafio diário.

Aos poucos vamos tecendo nossa história que é entremeada pelas linhas dos sucessos e os nós dos fracassos. É uma trama perfeita.

E hoje, depois de tanto vivido, acho que são os fracassos que nos sustentam. Que nos dão a medida exata das nossas limitações e da nossa inesgotável capacidade de superação.

E, nessa jornada de recomeços inevitáveis, embora haja os incontestáveis parâmetros da moral e da ética, nada pode ser considerado definitivamente certo ou errado. Tudo cabe no cesto do aprendizado. Melhor é a lucidez da consequência das nossas escolhas. Melhor ainda é a capacidade de olharmos amorosamente para nossa história e todos seus personagens.

A vida é o altar do amor onde tudo pode ser oferecido, perdoado e transmutado. A vida é o dom maior. Um presente que não se compra e não se vende, porque seu valor é incalculável. A morte talvez seja sua melhor coadjuvante. É a nossa única certeza e ao mesmo tempo a nossa maior dúvida. A morte acorda, todos os dias, a centímetros de nós. E talvez seja essa a nossa maior motivação para vivermos em plenitude, para saborearmos profundamente cada instante. Para realizarmos o melhor. A vida é mesmo esse paradoxo indecifrável. Deus e sua poesia silenciosa, discreta e diária nos ampara sem alardes e nos faz acreditar que ir em frente é sempre a melhor escolha. Mesmo que não saibamos exatamente aonde vamos chegar.

Boa semana!


Beth Passos é jornalista 

E-mail: [email protected]

Assuntos desta notícia