Sistema Fecomércio/AC, por meio do Mesa Brasil, acompanha retirada de peixes

O Sistema Fecomércio-Sesc-Senac/AC, por meio do Mesa Brasil, esteve na manhã de quarta-feira, 26, na retirada dos peixes que serão encaminhados às famílias em situação de vulnerabilidade social. Este é o início da parceria com o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) e da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), que prevê ao menos 5 toneladas de pescado provenientes da colaboração conjunta e ao menos 519 pessoas atendidas semanalmente com a segurança alimentar e nutricional.

Acompanhamento marca o início da parceria com o Programa de Aquisição de Alimentos e da Conab, que prevê ao menos 5 toneladas de pescado provenientes da colaboração (Foto: Ascom Fecomércio/AC)

De acordo com a coordenadora do programa Mesa Brasil no Sesc Acre, Marizete Melo, o apoio funciona com a compra da agricultura familiar e com posterior repasse às instituições e tem como principal objetivo ajudar ao pequeno aquicultor e, para tanto, serão recolhidos mil quilos semanalmente “O Mesa Brasil tem parceiros sistemáticos, como o Conab e o PAA, e já trabalhamos com os hortifrutigranjeiros e, agora, estamos com os produtores de peixe”, afirma Marizete.

Na ocasião, Fernando Meirelles, nutricionista do Sesc no Acre, acompanhou a captura do pescado. “´É importante verificarmos como está a situação do peixe antes de passarmos para, posteriormente, enviarmos às instituições receptoras. Cuidar do alimento é de suma importância”, disse.

Segundo a assistente da superintendência do Conab, Carla Davanzo, é interessante que as entidades se solidarizem com o momento e disponibilizem recurso semelhantes que atendam aos pequenos produtores. “Vivemos um momento extremamente atípico, pessoas ficaram com fome. É gratificante participarmos desse projeto que muda a vida daqueles que foram mais atingidos pelo isolamento social”

Gleciane Azevedo é aquicultora há 14 anos, e reiterou que as vendas caíram muito. “Agora, podemos nos programar e pensar numa vida mais positiva, num futuro melhor. Foi muito difícil esse período porque não temos feiras livres e, agora, poderemos nos organizar”, finalizou. (Ascom Sistema Fecomércio/AC)

Assuntos desta notícia