Pai é suspeito de matar o filho de 5 anos com corte no pescoço no bairro Bahia Nova

Um menino de apenas de cinco anos morreu após ter o pescoço cortado na madrugada desta quinta-feira, 13, no bairro Bahia Nova, em Rio Branco. O suspeito de cometer o crime bárbaro é o pai da criança, o servente de pedreiro Cristiano Lima Arsenio, de 25 anos. Demonstrando frieza, Arsenio sorriu ao se apresentar na delegacia.

O delegado Frederico Tostes, da Delegacia de Flagrantes (Defla), disse ao G1 que o pai furou a garganta da criança com uma faca e que ainda não sabe a motivação do crime.

“Só ouvi uma pessoa até agora, que foi o pastor a quem o autor estava ajudando a aterrar o quintal da igreja. Nem para o pastor ele disse o motivo, estamos ouvindo uma segunda testemunha que afirmou também não saber o motivo”, disse o delegado.

O delegado falou que o homem deve ser ouvido ainda nesta quinta, quando vai ser questionado sobre o motivo do crime.

A Polícia Militar informou que quando a guarnição chegou no local já estava uma viatura do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), que atestou o óbito da criança. Os policiais tomaram as medidas necessárias para o isolamento do local do crime.

Ainda segunda a PM, os policiais ouviram a mãe da criança e ela disse que o marido é o pai da criança e que é usuário de drogas. Quando ela acordou pela manhã, por volta das 7h30, percebeu que Arsenio não estava mais em casa e que o filho de cinco anos estava desacordado com um corte no pescoço.

 

Testemunho

As informações iniciais repassadas a polícia são do pastor que acabou descobrindo o crime. O relato do homem que não teve a identidade revelada é de que Arsenio ligou para ele durante a madrugada, provavelmente após o crime, mas não disse nada e desligou.

Pela manhã ele não foi para o trabalho que estava fazendo voluntário no quintal da igreja. Mas, tornou a ligar para o pastor e marcou de encontrar com ele na ladeira da Sobral.

“Chegando lá, ele estava todo sujo de barro e pastor disse que chamou ele para ir em casa e tomar banho e trocar de roupa. Porque o autor tinha dito a ele que estava transtornado mentalmente e eles se encontraram”, afirmou o delegado.

Mas, ao chegar em casa, o homem só entrou e trocou de roupa e já retornou para o carro, e no momento em que eles estavam saindo, a mãe da criança saiu com a vizinha e abordaram o pastor e contaram que ele tinha matado a criança.

“E o pastor segurou o rapaz para ele não fugir e entrou na casa e viu a criança morta. Então foi por a caso que o pastor ficou sabendo”, contou.

Após descobrir o que tinha acontecido a testemunha acionou a polícia e o suspeito foi conduzido à Defla por policiais civis da 1ª Regional da capital.

O delegado informou que a mãe da criança também ainda não foi ouvida. (Alcinete Gadelha / Do G1 AC)

Assuntos desta notícia