ARTIGO – Percepção de superioridade 

O termo extrema direita tem aparecido com mais frequência nos noticiários nos últimos tempos. A extrema direita está representada por movimentos independentes e partidos políticos com posicionamentos radicais, geralmente relacionados ao nacionalismo. A exaltação da nacionalidade e seus aspectos culturais e históricos leva, em muitos casos, à percepção de superioridade em relação a outras culturas e até mesmo comportamentos de preconceito e xenofobia.

Donald Trump e Jair Bolsonaro são legítimos representantes desses dois comportamentos. O governo de Donald Trump é cruel com estrangeiros e continua a fazer o possível para espantar talentos nascidos em outros países.

Após as restrições às renovações de vistos de trabalho para profissionais super qualificados, agora a Casa Branca decidiu basicamente banir muitos estudantes internacionais dos Estados Unidos. Cortou numa canetada só o futuro de milhares de jovens que estudam naquele país.

Por aqui vemos a xenofobia com os povos indígenas e quilombolas que numa das canetadas lhes tira o direito a saúde e a vida além de várias outras que permitiram a invasão e destruição do seu habitat. E nomeou para a Fundação Palmares um indivíduo que quer anular a cultura afrodescendente.

A maior pedra no caminho é a educação que por aqui nunca foi uma prioridade. No nosso sistema político, as massas ignorantes são necessárias.

É uma guerra diária com um sistema educacional falido, atrasado, inepto para os dias de hoje. Especialistas não são ouvidos, sequer reconhecidos.

O discurso educacional é vago, patético nas mãos de pessoas não qualificadas. O resultado é esse que nos envergonha!

Em ranking divulgado, o Brasil aparece em penúltima posição, entre 40 países pesquisados. A lista pertence à Pearson Internacional e faz parte do projeto The Lear.

Muito triste e preocupante tudo isso!


Beth Passos é jornalista 

E-mail: [email protected]

Assuntos desta notícia