ARTIGO – Sistema sem noção 

O Youtube é um dos veículos de comunicação de massa que necessita urgentemente se adaptar aos novos tempos e utilizar mão de obra especializada. Vou explicar o porquê. Teria muitas razões, mas eu vou só reclamar como usuária recreativa. Em tese, está tudo lá. E está. Já consegui achar uma vez a propaganda da Kibon de 1970, a campanha do tio Sukita (quem lembra?). Mas nunca mais achei, mesmo sabendo que está lá. E por quê? Porque o sistema de busca é por palavras e as palavras usadas nos títulos e descrições são colocadas por usuários que não têm absolutamente NENHUMA NOÇÃO de biblioteconomia.

NÃO SABEM que palavras com significado RELATIVO não servem para catalogação. E são exatamente essas palavras que usam, o tempo todo. Perdemos tempo agora procurando uma propaganda icônica que também já encontrei outras vezes, mas desisti da busca, só de raiva, pela falta de noção de catalogação das pessoas que sobem essas propagandas.

Quem tem mais de 40 anos deve se lembrar dessa icônica propaganda das Bolachas Mabel no fim dos anos 1970. Era uma animação. Dois irmãos brigavam de tapas e a irmã sabida os interrompe: “Parem, crianças! Mamãe disse que nos amássemos, não que nos amassemos!” Essa frase viralizou de um tal modo na boca das crianças que virou um tipo de meme na época.

Sempre me lembro dela quando quero falar de polarização. Daí, fui procurar, para fazer um textão sobre polarização. Mas desisti, quando vi que o adjetivo relativo “antigas” era usado para propagandas da Mabel do final dos anos 1980. E resolvi fazer um textão para reclamar da ignorância, sobre COMO SE CATALOGA UM VÍDEO, dos usuários do Youtube, mesmo. Quando postava vídeos do meu programa sempre tinha esse cuidado na titulação e data do mesmo.

É isso. Ia falar sobre paz, sobre que “mamãe disse que nos amássemos”, mas acabei falando sobre guerra, sobre “que nos amassemos” até morrer, todos dando pauladas uns nos outros. Que nos amassemos, então. Não tem jeito. É o que a estrutura das mídias sociais nos oferece.



Beth Passos é jornalista 

E-mail: [email protected]

Assuntos desta notícia