Justiça acata denúncia e Ícaro e Alan viram réus por homicídio, racha, fuga e omissão de socorro

Após serem denunciados pelo Ministério Público do Acre (MPAC) no dia 16 de setembro, a Justiça acreana acatou o pedido e agora os motoristas Ícaro José da Silva Pinto e Alan Araújo de Lima viram réus por homicídio, racha e crimes acessórios, como fuga e omissão de socorro. Ambos são acusados de praticarem um racha que culminou no atropelamento e morte da jovem Jonhliane de Souza, de 30 anos, no dia 6 agosto, enquanto trafegava em uma motocicleta na Avenida Antônio da Rocha Viana, em Rio Branco.

Mesmo as defesas de ambos os motoristas negando a existência do racha, o promotor que acompanha o caso, Efrain Mendoza, declarou que o racha foi uma das principais condutas apontadas ao final das investigações.

Jonhliane morreu ao ser atingida por uma BMW que era dirigida por Ícaro Pinto em alta velocidade, conforme perícia. A polícia chegou à conclusão de que Alan também participava do racha. Câmeras de segurança flagraram o momento do referido racha. Segundo perícia, a BMW estava a 151 km/h na hora e a motocicleta da vítima a 46km/h.

Alan foi preso na casa de um irmão no dia 14 de agosto e Ícaro no dia 15, no posto da Tucandeira, divisa do Acre com Rondônia, quando retornava de Fortaleza. (AC24horas)

Assuntos desta notícia