Coluna Luiz Theodoro – 31/03/2021

Crise local I

O Sistema Fecomércio-Sesc-Senac/AC divulgou ontem pesquisa sobre a situação econômica dos cidadãos. Realizada de forma virtual entre 18 e 23 de março e identificou que os rio-branquenses foram afetados pelas questões envolvendo a pandemia, como: redução da jornada de trabalho e salários e com o final do auxílio emergencial.

Crise local II

A pesquisa concluiu que mais de 90% da população rio-branquense está com os níveis de endividamento elevados e que prefere manter as contas domésticas em dias ou com pequenos atrasos.

Quando perguntados sobre os preços no mercado de alimentos, 97,3% dos entrevistados responderam que já observam este desconforto. “O ponto relevante na pesquisa aplicada pela Federação do Comércio do Acre, é que uma grande parcela da população justifica que o consumo local reduziu por conta dos preços elevados de diversos itens, notadamente nos alimentos”, explicou o assessor técnico do Sistema Fecomércio-Sesc-Senac/AC, Egídio Garó.

A política é assim!!!

Quem viu Rodrigo Pacheco, presidente do Senado, todo choroso na TV ao comentar a morte do senador Major Olímpio, um dos mais combativos parlamentares, imaginou que ele fosse anunciar a abertura da CPI da Covid, pedida por grande parte dos componentes da Casa, inclusive por seu colega falecido na semana passada. Seria uma forma de punir os responsáveis pela tragédia no Brasil, incluindo Bolsonaro e o general Pazuello. Mas, não. Pacheco preferiu dar de ombros aos congressistas e prestar vassalagem ao ex-capitão, que colocou a máquina do governo para elegê-lo, e mais uma vez rechaçou a instalação da comissão de investigação. Mais grave do que desrespeitar a vontade dos senadores é acobertar criminosos que nos levam a chorar diariamente por milhares de vidas perdidas.

Auxílio esmola I

Se Bolsonaro espera melhorar sua avaliação nas pesquisas após a concessão do auxílio emergencial a partir do mês que vem, repetindo o sucesso do ano passado, vai quebrar a cara. O que o governo dará agora é quase uma esmola. A maioria receberá uma média de R$ 250 mensais, em quatro parcelas. Com esse valor, dá para comprar 27,97% dos 25 produtos da cesta básica de alimentos. Ou seja, uma família só vai conseguir comer 10 dias no mês. Porém, muitos receberão apenas R$ 150, com os quais conseguirão comprar 16,78% da comida necessária. Não resolverá o problema da fome. Em 2020, o governo pagou cinco parcelas de R$ 600, bombando a avaliação positiva do mandatário.

Auxílio esmola II

Além dos valores irrisórios, o número de pessoas atendidas também despencará. Em 2020, o governo destinou R$ 300 bilhões a 68,2 milhões de pessoas e, desta vez, direcionará R$ 43 bilhões a 45,6 milhões de pessoas, deixando 22,6 milhões de brasileiros famélicos ao Deus dará. Discurso não enche barriga.

Auxílio esmola III

Insensível ao drama, o governo demora na liberação do auxílio emergencial. O Congresso aprovou a medida no início do mês, mas a primeira parcela só deverá ser paga em abril, com valores médios de R$ 250, o que Bolsonaro e os parlamentares gastam em um único jantar sem vinho e com o uso de dinheiro público.

Vacinação ampliada I

O governo federal incluiu pessoas com o vírus HIV/Aids entre os grupos prioritários definidos para receber a vacina contra a covid-19. A inserção ocorreu em uma nota técnica atualizando essa previsão do Programa Nacional de Imunização.

De acordo com a nova orientação, HIV/Aids passa a ser considerada uma comorbidade e pacientes que convivem com o vírus, com idade entre 18 e 59 anos, devem ser incluídos nos grupos prioritários.

Vacinação ampliada II

Na ordem definida pelo Ministério da Saúde, a vacinação do grupo com comorbidades começa após a etapa de imunizar idosos a partir de 60. Em seguida vêm pessoas com deficiência permanente, pessoas em situação de rua, população privada de liberdade, funcionários do sistema de privação de liberdade.

Os nomes

A decisão do ministro Edson Fachin de devolver os direitos políticos a Lula colocou o País novamente refém da polarização entre dois extremos, que nos levou aos piores momentos da nossa história recente: à crise econômica, fiscal e ética provocada pelo PT e ao descalabro da incompetência, ignorância e insanidade de Bolsonaro. O Brasil está fadado a repetir esse equívoco em 2022 ou será possível viabilizar um nome da terceira via para nos libertar da fatalidade de continuarmos a ser governados por líderes de duas seitas, o lulismo e o bolsonarismo? Na centro-direita e centro-esquerda, o País tem nomes já postos como opções para mudar esse jogo: Moro, Huck, Doria, Mandetta ou Ciro Gomes, por exemplo, com quase 50% do eleitorado. O problema é juntá-los no mesmo barco.


Meu grande amigo Osmi Lima foi o grande aniversariante de ontem. Na foto com a com Beth Lima. Parabéns!!!

Sabrina Ricciardi celebrou idade nova no dia 28 recebendo o carinha da família e dos amigos.

Hoje Kleber Lima celebra seu aniversário na intimidade da família. Parabéns!!!

A vice-prefeita Marfisa Galvão foi a grande aniversariante de ontem. Parabéns, querida!!!

Elcíria Albuquerque comemora hoje seu aniversário e deve receber o carinho dos vários amigos que conquistou. Parabéns!!!

Linda de viver Jheinny Kauelly Saldanha comemora no dia 6 seu aniversário. Um beijo!!!

Linda e inteligente Elizabeth Ferreira Passos para iluminar a coluna desta quarta-feira.

Assuntos desta notícia