ARTIGO – A conta não fecha 

Muito necessário um curso de introdução a boas maneiras ao presidente brasileiro Jair Bolsonaro, orientações de como administrar o repasse de dinheiro para a área de Saúde do país, porque o próprio, em contrapartida provoca aglomerações, criticando o uso de máscara e as recomendações sanitárias, ao passo que até as crianças aprenderam sua importância como forma de evitar o contágio do coronavírus.

Infelizmente parte desse dinheiro já deve estar servindo para abastecer contas no exterior, enquanto falta leitos em hospitais de todo o Brasil. São vultuosas as quantias repassadas pelo Governo Federal para cada estado, só no ano de 2020. São Valores diretos: saúde e outros.

Atenção para os valores indiretos! Suspensão e renegociação de dívidas:

Acre: R$ 6,8 bilhões.

Auxílio: R$ 1,38 bilhão.

Alagoas: R$ 18,09 bilhões.

Auxílio: R$ 5,46 bilhões.

Amazonas: R$ 18,5 bilhões.

Auxílio: R$ 6,84 bilhões.

Amapá: R$ 6,7 bilhões.

Auxílio: R$ 1,47 bilhões.

Bahia: R$ 67,2 bilhões.

Auxílio: R$ 25,35 bilhões.

Ceará: R$ 42,5 bilhões.

Auxílio: R$ 15,17 bilhões.

Distrito Federal: R$ 9,8 bilhões

Auxílio: R$ 3,45 bilhões.

Espírito Santo: R$ 16,1 bilhões.

Auxílio: R$ 5,57 bilhões.

Goiás: R$ 27,1 bilhões.

Auxílio: R$ 9,95 bilhões.

Maranhão: R$ 36 bilhões.

Auxílio: R$ 11,8 bilhões.

Mato Grosso: R$ 15,4 bilhões.

Auxílio: R$ 4,96 bilhões.

Mato Grosso do Sul: R$ 11,9 bilhões.

Auxílio: R$ 3,71 bilhões.

Minas Gerais: R$ 81,4 bilhões.

Auxílio: R$ 26,96 bilhões.

Pará: R$ 39,5 bilhões.

Auxílio: R$ 14,71 bilhões.

Paraíba: R$ 21,2 bilhões.

Auxílio: R$ 6,57 bilhões.

Paraná: R$ 38,6 bilhões.

Auxílio: R$ 13,7 bilhões.

Pernambuco: R$ 42,7 bilhões.

Auxílio: R$ 16,2 bilhões.

Piauí: R$ 19 bilhões.

Auxílio: R$ 5,68 bilhões.

Rio de Janeiro: R$ 76 bilhões.

Auxílio: R$ 24,94 bilhões.

Rio Grande do Norte: R$ 18,3 bilhões.

Auxílio: R$ 5,55 bilhões.

Rio Grande do Sul: R$ 40.9 bilhões.

Auxílio: R$ 12,2 bilhões.

Rondônia: R$ 8,6 bilhões.

Auxílio: R$ 2,64 bilhões.

Roraima: R$ 5,1 bilhões.

Auxílio: R$ 1,04 bilhão.

Santa Catarina: R$ 21,6 bilhões.

Auxílio: R$ 7,22 bilhões.

São Paulo: R$ 135 bilhões.

Auxílio: R$ 55,19 bilhões.

Sergipe: R$ 12,9 bilhões.

Auxílio: R$ 3,85 bilhões.

Tocantins: R$ 10,5 bilhões.

Auxílio: R$ 2,28 bilhões.

Fontes: Portal da Transparência/Localiza SUS/Senado Federal. Dados até 15 de janeiro de 2021.

Se os governadores fossem honestos, a situação dos estados seria bem outra. A maioria dos governadores está fazendo corpo mole, fechando tudo, porque querem mais dinheiro. Inacreditavelmente os recursos foram destinados no modo fácil. É preciso abertura de inquéritos contra todos os Estados. As verbas foram desviadas na cara dura, senão o país não estaria colapsando. Espera-se atitude do Ministério público e Polícia Federal para investigar e o primeiro ato é perguntar; onde está o dinheiro que estava aqui?

No momento apenas o trabalhador, com salários defasados e os empresários estão pagando a conta. E não é o lockdown que quebra o país! É o governante que nada faz para assegurar que a economia entre em colapso, como medidas de auxílio aos comerciantes, sobretudo os pequenos, aos trabalhadores e população em geral, diminuição de impostos, perdão de dívidas, controle de preços nos supermercados, entre outras. Já chega dessa falácia de que a economia é mais importante do que a vida de milhares de brasileiros! Não há economia que sobreviva a um país com um grande número de mortos.


Beth Passos é jornalista 

E-mail: [email protected]


Assuntos desta notícia