Pular para o conteúdo
Francisco Assis
Francisco Assis dos Santos é filósofo e humanista. Email:[email protected]

Superação e Esperança!

A ex-ginasta brasileira Daiane Garcia dos Santos em fala, num dos canais do Sportv, após rememorar seus momentos de grande desempenho, disse esperar que os jogos olímpicos de Tókio (2020/21) tragam “superação” e esperança para o mundo.

É verdade, querida Daiane, principalmente porque o contexto social brasileiro em que, não somente o Senador Randolfe Rodrigues (REDE/AP) mas o povo em geral está com os nervos à flor da pele, tendo a ansiedade como seu grande algoz, faz com que nos agarremos na esperança de dias melhores Sim, necessitamos de esperança.

Esperança, força e superação, por exemplo, para as classes representativas da educação, do judiciário, das polícias federais, do servidor público em geral.  Para o pai de família, profissional honesto, que não encontra condições de sustentar sua família com seu pequeno salário e ainda vê seus filhos sendo empurrados na direção das praças e ruas em busca de sobrevivência.

Essa superação, subentendo, passa por crer nas utopias, enquanto aspirações possíveis. Significa dizer que é preciso pôr ações nos nossos sonhos, uma vez que os sonhos não se sobrepõem à realidade. A realidade é dura, cruel e sangra nas suas múltiplas facetas. A situação atual, independente das utopias do futuro, é sacrificante e exige da gente a capacidade de superação face às dificuldades, ou até mesmo sofrer tudo sem perder o ânimo.  Exercitar com tenacidade, própria de cidadão sofrido, muitíssimo provado por meios de perdas, sofrimentos e outros males existenciais advindos desta trágica pandemia (COVID 19).

Esperança, para um mundo contemporâneo que parece desconhecer as dimensões da esperança. Talvez porque esperar demanda tempo. Tempo requer paciência, uma virtude rejeitada pela geração da comida rápida, dos fantásticos aplicativos de comunicação instantâneos e dos carros velozes e vorazes.

Esperança, sim senhor, visto que, daqui para frente, só Deus sabe o que ainda virá, quer no campo da fome e das doenças endêmicas e pandêmicas que sorrateiras continuam agoniar os países do mundo inteiro; especialmente os países do terceiro mundo, eternamente agoniados.

Esperança pois, afinal de contas, diz aquela clássica afirmação do profeta Isaias: …”os que esperam no Senhor renovam as suas forças, sobem com asas como águias, correm e não se cansam, caminham e não se fadigam.” Esperança pelos olhos da fé, como secunda o texto Sagrado: “A esperança que se vê não é esperança; pois o que alguém vê, como o espera?”

Afortunadas sejam as tuas palavras, Daiane dos Santos, sobretudo por você ser um exemplo de superação da ginástica artística feminina.

Que venham, com os jogos olímpicos, novos dias de superação e esperança!

 

*HUMANISTA. E-mail: [email protected]

“Afortunadas sejam as tuas palavras, Daiane dos Santos, sobretudo por você ser um exemplo de superação da ginástica artística feminina.”