Pular para o conteúdo
Briga interna

‘O governo não vai responder detratores’, diz porta-voz da Casa Civil sobre novos ataques do vice Major Rocha

Vice-governador foi autor de mais uma postagem nas redes sociais, na qual denuncia supostos atos de corrupção do governo do qual faz parte

A artilharia do vice-governador Major Rocha continua apontada e lançando fogo contra o governador Gladson Cameli, e o governo para o qual ele próprio também foi eleito. No último sábado (24), por meio de suas redes sociais, Rocha publicou mais um post em que não mede palavras sobre suas divergências com a gestão estadual.

Indagada a respeito, a porta-voz da Casa Civil, Mirla Miranda, foi enfática: “O governo não vai responder detratores”. E continuou: “O governo está focado em continuar salvando vidas, em obras que geram emprego, e nas inúmeras ações que visam o bem da população acreana.”, completou Miranda.

A pouco mais de 17 meses para o término do atual mandato para o qual foi eleita a chapa Gladson Cameli e Major Rocha, a população assiste atônita a onda de denúncias que o vice-governador vem protagonizando contra a gestão que acusa de “corrupta”.

“Minha maior divergência com o governador e seu modo de gestão deve-se aos diversos indícios de corrupção em múltiplas áreas. Denunciei vários gestores, diante da inércia de quem deveria combater a improbidade. Também discordo de amoralidades como a ‘familiocracia’ nos cargos comissionados e nos contratos com dinheiro público. Discordo da “festa” das empresas do Amazonas que, através de contratos suspeitos, levam os poucos recursos que chegam ao Acre para Manaus. ‘Lidera’ um governo que talvez entre para a história como o mais corrupto que já tivemos, precisando somente de 1 mandato para ‘conquistar esse título’”, escreveu.

Rocha justifica suas atitudes recentes alegando que “não expor ou denunciar é ser conivente e tolerante com o ilícito”, diz que vem sofrendo retaliações, através das exonerações de seus assessores e desafia o governador para o debate sobre obras e contratos com as empresas de Manaus, entre outras situações, segundo ele, com dispensa de licitações.