Pular para o conteúdo
Fiscalizando

Sindmed denuncia falta de luvas no Pronto Socorro; Sesacre alega que já fez contratação emergencial

A falta do medicamento Dormonid, utilizado para a sedação de pacientes que precisam passar por procedimentos invasivos, também foi apontada

Após visita ao Hospital de Urgência e Emergência de Rio Branco (Huerb), na última sexta-feira, 16, o Sindicato dos Médicos do Acre denunciou a deficiência no fornecimento de luvas para procedimentos, o que estaria obrigando médicos e demais servidores a atuar com maior exposição a contaminações.

A falta do medicamento Dormonid, utilizado para a sedação de pacientes que precisam passar por procedimentos invasivos, também foi apontada. Segundo o sindicato, na falta deste medicamento são utilizados medicamentos alternativos que não são tão eficazes, ocasionando o sofrimento do paciente.

Os representantes da entidade sindical alegam que verificaram também que a Sala de Emergência Clínica (SEC) está sendo utilizada para fins de atendimento semi-intensivo, mas os médicos não estariam sendo remunerados de forma equivalente à função exercida, deixando de receber gratificações.

“Constatamos ainda que os médicos lotados na Sala de Emergência Clínica estão sendo desvalorizados. Eles salvam vidas e estão sendo usados pelo Estado e descartados quando estão doentes. É necessário oferecer algum incentivo para que eles possam atuar de forma decente em um setor tão vital”, declarou o presidente do Sindmed-AC, Guilherme Pulici.

A Secretaria de Saúde do Acre (Sesacre) emitiu uma nota em que afirma que “a indústria vem sofrendo desabastecimento de matéria-prima”, mas que fez a “contratação emergencial para aquisição”. Confira na íntegra:

Acerca da falta de regularidade no abastecimento de material médico-hospitalar (MMH), em particular, de luvas de procedimento para o Pronto-Socorro de Rio Branco e outras unidades de saúde estaduais, a Secretaria de Estado de Saúde do Acre vem a público esclarecer que:

Conforme é de conhecimento geral, a pandemia de Covid-19, que já perdura 16 meses, ocasionou um aumento exorbitante, em nível mundial, por MMH de diversas naturezas, em particular dos itens utilizados como equipamentos de proteção individual (EPIs), como máscaras, luvas, aventais e outros.

Em tal cenário, a indústria vem sofrendo desabastecimento de matéria-prima para fabricação em quantidade suficiente para atender à demanda. Com efeito, as últimas licitações realizadas para aquisição de luvas de procedimento para as unidades da Sesacre fracassaram.

A fim de manter a assistência à população, esta secretaria fez uma contratação emergencial para aquisição, que está em processo de finalização, após o que o abastecimento regular será restabelecido.

Até que isso se concretize, este ente público não tem medido esforços para manter um estoque mínimo nas unidades, ainda assim, pode haver desabastecimentos pontuais, como no caso em questão, em que todas as medidas possíveis são tomadas para reversão imediata.

Reafirmamos nosso compromisso com a população acreana e com o Sistema Único de Saúde.

Rio Branco, 20 de julho de 2021