Pular para o conteúdo
Violência

Suspeito de matar idoso com terçadada no pescoço é preso e confessa crime

O corpo de Raimundo Avelino da Silva, de 71 anos, foi encontrado no barco onde morava, no dia 18 de julho

Corpo foi encontrado em balsa às margens do Rio Juruá. (Foto: Glédisson Albano/Rede Amazônica Acre)

Um homem de 21 anos, suspeito de matar um idoso, de 71 anos, com uma terçadada no pescoço, foi preso na última sexta-feira, 23, em Cruzeiro do Sul, no Acre. Após a prisão, o acusado confessou o crime, segundo a polícia civil.

O corpo de Raimundo Avelino da Silva foi encontrado com um terçado cravado no pescoço, na manhã do dia 18 de julho, na balsa onde ele morava, no Porto Vagner, às margens do Rio Juruá. O suspeito vive na zona rural da cidade e chegou a ser levado à delegacia anteriormente por envolvimento em brigas.

Durante a confissão, o acusado alegou que não tinha nenhum tipo de envolvimento com a vítima e que um desentendimento culminou na morte de Raimundo Avelino, de acordo com o delegado Lindomar Ventura, responsável pelo caso.  “Mas de qualquer forma é uma motivação fútil, porque até o momento parece que a vítima foi morta por questões menores. Até onde a gente sabe foi uma situação de momento. Por uma motivação fútil foi tirada a vida da vítima de forma brutal”, declara o delegado.

Ventura relata que haviam identificado o suspeito três dias após o crime, e na quinta-feira,22, conseguiram expedir o pedido da prisão temporária. “No interrogatório ele confessou a prática do crime, deu a sua versão, embora muita coisa ainda tenha que ser confirmada. Ele tenta dar uma motivação e a gente tenta confirmar ou não isso com a continuidade das investigações”, explica.

Ainda será apurado se o preso teria agido sozinho, como ele alegou, ou se teria contado com a ajuda de alguém. O delegado afirma que ainda vão ouvir testemunhas circunstanciais e devem encerrar o inquérito ainda nesta semana.

Seu Raimundo Avelino morava e trabalhava na balsa exercendo a função de guardador de embarcações, em um negócio da família. O filho e o neto dele também trabalhavam no local, mas a vítima estaria sozinha na noite do crime.