Pular para o conteúdo
falta de pessoal

‘Seria necessário dobrar o efetivo’, diz Associação sobre vagas no concurso do Corpo de Bombeiros

Segundo Aprabmac, há no serviço ativo do CBMAC somente 442 bombeiros militares. Lei prevê necessidade de 1.765 profissionais

O Corpo de Bombeiros do Estado do Acre (CBMAC) vive um dos momentos mais desafiadores de sua história devido à falta de efetivo e cresce a expectativa em torno da realização de concurso público, após anúncio do governador Gladson Cameli, nesta terça-feira, 10, de que o edital para o certame será lançado até o final de setembro.

Ainda não se sabe ao certo quantas vagas serão disponibilizadas, mas, de acordo com a Associação dos Praças Bombeiros Militares do Acre (Aprabmac), a situação é tão crítica que, no cenário ideal, o esperado seria dobrar o efetivo.

“Atualmente, há no serviço ativo do CBMAC somente 442 bombeiros militares em todo o Estado. O Estatuto dos Militares, Lei Complementar n.º 164/2006, prevê de deveríamos ter 1.765. Ou seja, cada 1 homem/mulher do CBMAC trabalha por 4. Em todo o Estado, do 1º ao 9º Batalhão, seja no Baixo e Alto Acre, Juruá, Purus, Tarauacá e Feijó, há déficit de efetivo”, destaca o presidente da Aprabmac, Diego Costa.

Conforme informações da Aprabmac, a situação se torna ainda mais crítica porque não há soldados na corporação. O último concurso para esta posição teve edital publicado no ano de 2012.

“Com o crescimento populacional e as ocupações urbanas e rurais em expansão, isso demanda mais serviços de Defesa Civil, resgate e salvamento de pessoas e patrimônio, combate e prevenção a incêndios urbanos e rurais (vegetação principalmente), ações humanitárias/assistência social junto às demais secretárias de governo/prefeituras e órgãos da União, entre outros”, destacou o presidente da Aprabmac.

“Malabarismo”

Ainda de acordo com Diego Costa, “todos os meses a corporação precisa monitorar e fazer malabarismos para conciliar folgas entre um e outro plantão, férias, afastamentos médicos e requerimentos de reserva remunerada (aposentadoria), tudo isso somente com 442 militares em serviço ativo, nove batalhões e algumas unidades administrativas e operacionais independentes”.

“Para se ter ideia, do último concurso, em 2012, foram incorporados 250, em 2013; e mais cerca de 70, em 2015. De lá pra cá, abriram mais dois batalhões, dois colégios militares, projeto Bombeiro Mirim no Estado todo, Piscina do Cean, entre outras atividades que o CBMAC assumiu. Há serviços operacionais e administrativos do CBMAC que já estão reduzidos, e alguns até interrompidos, especialmente os de interação social e promoção de bem-estar, esporte e lazer junto à sociedade civil”, ressaltou Costa.