Pular para o conteúdo
Após caso de homofobia

MPF/AC processa trio de podcast por racismo contra indígenas e pede multa de R$100 mil

Humoristas comentaram notícia sobre indígena que havia se perdido na floresta, em junho deste ano

podcast submundo
Humoristas do “Submundo Podcast” foram denunciados por racismo contra a cultura indígena. (Reprodução YouTube)

Após caso de homofobia, os apresentadores e criadores do “Submundo Podcast” também devem responder judicialmente por racismo contra indígenas. O Ministério Público Federal (MPF) ajuizou uma ação civil pública pedindo que a Justiça Federal no Acre condene o trio à reparação por danos morais coletivos, com pagamento de R$ 100.000,00, entre outras penalidades. O documento foi oficializado na última quarta-feira,1°.

O MPF pede a condenaçaõ dos acreanos Maikon Moura, Geovany Calegário e Pedro Moreira por “discurso de ódio e racismo recreativo” praticado contra a população indígena durante o programa veiculado e publicado no dia 4 de junho deste ano, no YouTube e outras redes sociais. Ao site A Gazeta do Acre, Pedro e Maikon preferiran não se pronunciar sobre o caso e nossa reportagem aguarda retorno de Geovany.

O documento, assinado pelo promotor Lucas Costa Almeida Dias, requer que o trio pague a quantia de R$100.000 que será “revertida em projetos educativos e informativos sobre a cultura indígena no Estado do Acre, elaborados com a participação direta dos povos indígenas e do MPF”, consta o texto. A ação requer ainda a retratação pública por meio de vídeos nas redes sociais particulares dos humoristas, que não pode ser mais curto que o vídeo denunciado, de 1 minuto e seis segundos.

A promotoria afirma ainda que tentaram realizar um acordo extrajudicial, mas que não houve interesse dos réus e que por isso o “MPF informa que não aceita conciliar”.

A denuncia trata-se de um vídeo específico de um quadro do programa em que os apresentadores comentavam notícias dos sites acreanos.  Neste vídeo, os humoristas comentaram sobre a matéria “Indígena é resgatado após se perder na mata”, e desenvolveram a seguinte conversa:

– Pedro Moreira: “É por isso que o Bolsonaro fala mal dos indígenas. O indígena tem um único trabalho, ele nasce e vive, o único trabalho dele é conhecer a floresta. Nem isso esse vagabundo conseguiu fazer”.

– Maykon Jones: “opa, opa, não chama de vagabundo” (risos).

– Pedro Moreira: “vagabundo, vagabundo”.

– Geovany Calegário: “Índio não é vagabundo”.

– Pedro Moreira: “vagabundo, quem não conhece a floresta é vagabundo. Opiniões fortes aqui, vagabundo”

Esta é uma parte das falas retiradas da ação divulgada pelo Ministério Público, que as classificou como de conduta racista.

Sobre o podcast

Os humoristas encerraram a produção do “Submundo Podcast” no dia 4 de junho, após a repercussão do caso de homofobia contra o acreano Lucas Lima. No perfil do Instagram do programa, foi emitida uma nota com pedido de desculpas afirmando o erro cometido e que devem arcar com as consequências.

Leia também: Apresentadores de podcast são denunciados por homofobia pelo MPAC