Pular para o conteúdo
Impasse

Paralisação dos motoristas de ônibus perde força, mas funcionários da Floresta mantém greve

A paralisação dos funcionários das empresas de transporte coletivo de Rio Branco deve continuar nesta quarta-feira, 22. Embora tenha perdido força com a suspensão da mobilização pelos funcionários de uma das empresas, os motoristas da Auto Viação Floresta decidiram continuar o movimento.

Nesta terça-feira, 21, de acordo com os motoristas, houve uma reunião com o prefeito de Rio Branco, Tião Bocalom, em que ele reforçou o envio do Projeto de Lei que prevê o subsídio às empresas de transporte coletivo. A proposta reduz o valor atual da tarifa de ônibus de R$ 4 para R$ 3,50 e, se aprovado na Câmara Municipal, autoriza a Prefeitura de Rio Branco, por meio da Superintendência de Transporte e Trânsito (RBTrans), a repassar todos o meses o valor de R$ 250 mil para as empresas de transporte coletivo que atuam na capital.

“Os funcionários da São Judas Tadeu tem o entendimento de que é plausível aguardar o Projeto de Lei porque é uma garantia que nós temos. É a nossa esperança de muito tempo esse PL sair e nós cremos que os vereadores estão solidários à classe trabalhadora, porque é um documento sério agora, e está comprovando que o dinheiro não é para o caixa da empresa, mas vai para os trabalhadores, pois haverá fiscalização rigorosa (…) então, eu acredito que vamos vencer essa etapa de salários vencidos”, explica Cássio Muniz, motorista pela empresa São Judas Tadeu.

Funcionários do transporte coletivo estão com pagamentos atrasados há meses – Foto cedida

Viação Floresta continua parada

Maria do Socorro Santos, motorista pela empresa Auto Viação Floresta, destaca que os funcionários continuarão “de braços cruzados”, pois nenhuma garantia foi apresentada aos trabalhadores até o momento.

“Nem na prefeitura, nem RBTrans, muito menos da empresa sobre o pagamento dos funcionários. Nós estamos reivindicando o pagamento dos nossos atrasados, nosso décimo, nossas férias, salário de dezembro que a maiora tem, os 30%, porque a categoria em peso, os 30% que eles tinham que pagar também não estão pagando. Até resolver essa proposta [do Projeto de Lei], a gente vai continuar de braços cruzados esperando eles decidirem”, explica Maria do Socorro.

De acordo com motoristas, uma reunião deve ser realizada entre os funcionários e um diretor da empresa Viação Floresta às 4h da manhã desta quarta, 22, com o objetivo de encontrar soluções para o impasse, e, portanto, os rumos da greve.

Leia mais: Vereadores iniciam trabalhos da CPI do Transporte Público e podem convocar ex-prefeitos da Capital