Pular para o conteúdo
Luísa Lessa
Luísa Galvão Lessa Karlberg é pós-doutora em Lexicologia e Lexicografia pela Université de Montréal, Canadá; doutora em Língua Portuguesa pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ); membro da Academia Brasileira de Filologia; presidente da Academia Acreana de Letras; membro perene da IWA. Email: [email protected]

O que é amizade?

 

O artigo sobre Amizade não é aula de gramática, mas uma reflexão para um  mundo melhor, ao trazer assunto valioso. Algumas pessoas banalizam e acreditam tratar-se de interesses pessoais, oportunidades, proveitos próprios. Mas Amizade é um bem que enriquece e enobrece quem a tem e aquela pessoa que sabe ser amiga. A amizade é uma das mais belas virtudes. Infelizmente, tanta gente desconhece e a deixa passar na vida “em brancas nuvens”.

Segundo os dicionaristas, amigo é aquele “que quer bem, quem tem amizade”. Talvez ainda seja vago, mas procurando o significado da palavra Amizade, encontram-se como sinônimos, entre outros, os termos afeição, amor, boas relações, dedicação, benevolência. Em latim, Amizade significa amicus>amigo, que possivelmente se derivou de amoré>amar, ainda que se diga também que a palavra provém do grego e seja uma relação afetiva, em princípio, sem características romântico-sexuais. Um sentimento fiel de afeição, simpatia, estima ou ternura entre pessoas. É entendimento, fraternidade e bondade.

Sabe-se ser a amizade uma realidade presente na vida concreta de todos os seres humanos, ao longo da vida. Desde o início da história escrita há disso testemunhos. E como a realidade é, certamente, mais antiga que os primeiros relatos, a amizade, antes de ser contada e explicada, é um fato que os humanos vivem. Ela é algo próprio do ser, pertence à natureza humana, enquanto ser social criado para amar.

A amizade é uma gota mitigada no deserto; uma ponte colocada no abismo; um porto avistado na tormenta; a alvorada de uma noite mal dormida; uma trilha orientando a chegada; um retorno consolando a saudade; um sinal de Deus entre as pessoas. Por isso tudo a amizade é a coisa mais difícil do mundo de se explicar. Não é uma coisa que se aprende na escola. Mas, se uma pessoa não aprendeu o significado da amizade, a pessoa realmente não aprendeu nada na vida.

Amizade é aquilo que  a gente não precisa cobrar, é algo que surge a partir da confiança, e quando se fortalece, nem mesmo o tempo e a distância pode derrotar. Amizade é o gesto de doar sem esperar nada em troca. É a união da lealdade com o companheirismo, um pouco de segurança. Durante as tempestades, um abrigo sempre pronto a acolher. É a mão sempre pronta a se estender. O ouvido em que se possa desabafar.  É aceitar os defeitos e exaltar as virtudes. É ouro dos sábios que o dinheiro não pode comprar. O que é a amizade:

  • É algo capaz de amenizar a dor e levar a um coração triste e amargurado um pouco de luz e calor.
  • Estar sempre presente nos momentos felizes e nas horas difíceis da vida. É o descendente mais nobre da família do amor.

Difícil dizer alguma coisa sobre algo tão maravilhoso que se vive, se sente e se experimenta; pô-lo em palavras é quase impossível. Só se aprende mesmo o que é amizade vivendo. Amizade significa criar laços. É uma fonte que não retém a água para si (seria poço se o fizesse), mas a dá espontaneamente.

A amizade tem uma linguagem que só se compreende com o coração. É por isso que a amizade resulta numa compreensão grande entre pessoas, porque as palavras de gratidão são ditas com gestos de coração para coração. A glória da amizade não é a mão estendida, nem o sorriso carinhoso, nem mesmo a delícia da companhia. É a inspiração espiritual que vem quando a gente descobre que alguém acredita e confia em nossa pessoa. Isso é sublime!

Amigos não são pessoas que passam  por nossa vida e se tornam  um fato, mas sim aquelas que permanecem  eternamente no coração, na saudade, no cotidiano da lembrança. Por tudo que é a vida e a amizade, é sábio reservar tempo para rir, é esta a música da alma; reservar tempo para ler, é esta a base da sabedoria; reservar tempo para pensar, é esta a fonte do poder; reservar tempo para trabalhar, é este o preço do êxito; reservar tempo para divertir-se, é este o segredo da juventude eterna; reservar tempo para ser amigo, é este o caminho da felicidade; reservar tempo para sonhar, é este o meio de ligar a uma estrela o carro em que se viaja na Terra; reservar tempo para amar e ser amado, é este o privilégio dos deuses; reservar tempo para ser útil aos outros, esta vida é demasiada curta para que sejamos egoístas.

Sabe-se ser a amizade indispensável ao bom funcionamento da memória e para a integridade do próprio eu. A amizade é um aroma que perfuma a vida, uma suavidade que a encanta, uma lembrança que a embeleza. A amizade é uma virtude que muitos sabem que existe, alguns descobrem, mas poucos reconhecem.

Finalmente, fruto do hábito e da vontade, a Amizade, segundo Aristóteles — que a eleva à categoria de virtude — é uma disposição permanente que decorre de uma escolha livre e recíproca. Além disso, o outro é amado por ele próprio e não por um cálculo mais ou menos egoísta: Aristóteles desqualifica as amizades estabelecidas com base na utilidade ou simples prazer. Esta concepção muito forte da amizade encontra-se em Montaigne: «Na verdadeira amizade, diz ele, dou-me ao meu amigo mais do que dele quero para mim.» Sob esta forma, a amizade é considerada, desde a Antiguidade, como a própria expressão da felicidade.

 

DICAS DE GRAMÁTICA

MAU e MAL, como usá-los professora?

– Da seguinte forma, Cássio:

Mau, o contrário de bom, é adjetivo – portanto sempre acompanha um substantivo – e tem o feminino (plural: maus e más):

  • Fez um mau negócio, num mau momento.
  • Os homens maus e as mulheres más sempre se dão mal.
  • O lobo mau enfrentou um homem

Mal tem por antônimo a palavra bem e pode ser

(1) advérbio de modo; neste caso fica invariável e no mais das vezes acompanha um verbo ou um adjetivo:

  • Quando ele se comporta mal, nada vai bem.

Isso pegou mal.

  • Ela joga muito mal.
  • Ele é mal-humorado.
  • Estamos mal servidos.

(2) substantivo:

  • O pequeno mal que o remédio provoca é compensado pelo bem que lhe traz.
  • Ele não imagina o mal que fez.

(3) conjunção:

  • Mal chegou de viagem, já deseja partir.

——————————–

Luísa Galvão Lessa – É Pós-Doutora em Lexicologia e Lexicografia pela Université de Montréal, Canadá; Doutora em Língua Portuguesa pela Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ: Membro da Academia Brasileira de Filologia; Presidente da Academia Acreana de Letras.