Pular para o conteúdo
Em Rio Branco

Em quadro de saúde ‘delicado’, MPAC solicita intervenção de Nego Bau

Morador de rua Renan Souza, conhecido popularmente como Nego Bau, foi ferido no final de 2021 e chegou a ficar internado no Pronto-Socorro de Rio Branco

O caso do paciente Renan Souza, conhecido popularmente como Nego Bau, vem senho acompanhado pelo Ministério Público do Estado do Acre (MPAC), por meio do Núcleo de Apoio e Atendimento Psicossocial (Natera). Nego Bau foi encontrado ferido em via pública, no fim do ano, e chegou a ser internado no Pronto-Socorro de Rio Branco. No entanto, os profissionais de saúde têm enfrentado dificuldade para mantê-lo na unidade. Seu quadro clínico é considerado delicado pois apresenta perfuração pulmonar e perda de parte dos dedos, além de suspeita de tuberculose.

O órgão ministerial chamou os serviços atuantes no caso para discutir soluções conjuntas de intervenção, sob uma perspectiva multiprofissional e de cuidado integral. Para as autoridades, trata-se de um atendimento complexo de vulnerabilidade, pois envolve ainda situação de rua, transtornos mentais e uso abusivo de drogas.

Diante da situação crítica, foram pactuados alguns pontos visando corrigir falhas e dar maior efetividade ao caso, em um esforço coordenado que compreende a tentativa de diálogo com o paciente e até internação involuntária, avaliação psiquiátrica e clínica médica no Pronto-Socorro, eventual contenção e a participação da família no tratamento.

Além disso, a promotora de Justiça Meri Cristina do Amaral e a coordenadora do Natera, procuradora Patrícia Rêgo, oficiaram às Secretarias de Saúde e às Secretarias de Assistência Social e de Direitos Humanos, tanto do estado como da capital, solicitando o atendimento dos encaminhamentos propostos e a informação da conduta a ser adotada por esses órgãos.

De acordo com o coordenador administrativo do Natera, Fábio Fabrício Pereira, o órgão auxiliar do MP acreano segue acompanhando o caso e monitorando os acordos. “A depender da evolução do caso, outras medidas poderão ser adotadas em comum acordo com os serviços de saúde e proteção social, assim como com o Sistema de Justiça”, disse.

“O MP interveio porque é atribuição da instituição a defesa de direitos humanos. E o caso é de extrema complexidade, pois se trata de uma pessoa em situação de hipervulnerabilidade. Então, a intervenção do MP era absolutamente necessária, e se deu tão logo chegou a notícia sobre os fatos”, justificou a promotora Meri Cristina do Amaral.

Leia também: Oficial de Justiça tem surto psicótico e atira contra policiais militares em Rio Branco