Tiago Tosh representa o Acre em Encontro de Graffiti na Argentina – Jornal A Gazeta

Tiago Tosh representa o Acre em Encontro de Graffiti na Argentina

O artista plástico Tiago Tosh viajou na última terça-feira, 9, para representar o estado do Acre no I Encontro Latino-Americano Zig Zag – Graffiti e Street Art que acontece em La Plata, Argentina, nos próximos dias 12, 13 e 14 de outubro.
Tiago Tosh
O grafiteiro promete inovar com aquilo que chama de etnograffiti, um conceito que tomou forma no projeto aprovado pela Lei de Incentivo a Cultura 2011, através da Fundação de Cultura Garibaldi Brasil, e que hoje conta com o apoio do Programa de Intercâmbio e Difusão Cultural do Ministério da Cultura e do Fundo Nacional de Cultura-Edital 2012.

O evento vai reunir artistas brasileiros, argentinos, chilenos, colombianos, venezuelanos, paraguaios e peruanos que além do graffiti e da street art vão apresentar trabalhos ligados a outros ramos da arte como fotografia, ilustração, teatro, pintura e música.

Em meio ao verde da floresta surgiu um espaço multicultural onde as cores, cânticos e saberes indígenas se misturaram a uma variedade de outros processos culturais trazidos por diferentes grupos vindos de diversos pontos do planeta. A cidade de Rio Branco, capital do Acre, representa perfeitamente este cenário e foi nesse clima de conexões, diálogos e encontros que Tosh desembarcou.

Vindo do Rio de Janeiro em 2009, deparou-se com um arcabouço cultural extremamente rico, dotado de material suficiente para aguçar sua criatividade e construir, a partir daí, o conceito de etnograffiti, uma nova forma de conceber a arte de rua, através de um olhar focado na cultura local.

O carioca deu os primeiros passos no mundo das artes ainda na década de 90, quando participou de alguns cursos promovidos pelo Grupo Cultural AfroReggae, em Vigário Geral. A partir de então não parou mais, atuando em uma variedade de trabalhos significativos como o Rio Graffiti e o Raízes em Movimento.

Em Rio Branco ajudou a impulsionar o Hip Hop junto a outros artistas locais através de encontros e oficinas, atraindo um número cada vez maior de jovens a fazer arte de rua. De acordo com Tosh o Hip Hop – movimento cultural sustentado pela conexão entre o rap, o Break, DJ e o graffiti – precisa ser difundido em todo o país e a capital acreana oferece uma excelente abertura para que isso aconteça.

O conceito de etnograffiti, por sua vez, começou a  se construir a partir de seu encontro com as raízes culturais do povo riobranquense. Foi da mescla de sua vivência em uma cidade cosmopolita como o Rio de Janeiro e sua nova experiência em uma outra, bem menor, mas de cultura latente, repleta de histórias a serem contadas e a serem escritas, que Tiago resolveu registrar o “viver acreano”.

Segundo ele o conceito visa valorizar o olhar para os Povos da Floresta. “É uma ferramenta visual enorme que ajuda a quebrar os pré-conceitos e valorizar a arte urbana e a ‘gente da terra’, unindo tradição e modernidade” completa.

Através do Projeto Etnograffiti, realizado pela Prefeitura Municipal por meio da FGB, promoveu oficinas, capacitando jovens iniciantes nas técnicas do graffiti, assim como apontou novas possibilidades de pensar e fazer o Hip Hop em Rio Branco. E foi com o intuito de dar visibilidade ao Acre como um estado que investe e valoriza sua cultura que resolveu levar para o I Encontro Latino-Americano de Grafiti e Street Art, “esta nova forma de viver a arte de rua”.

A expectativa de Tiago para o evento é a melhor possível. “É um momento de troca entre os artistas. É uma excelente oportunidade para dividir minha experiência junto aos seres e saberes acreanos com o restante da América – latina” afirma.

Tosh retorna ao Brasil na próxima quarta-feira, 17, provavelmente repleto de outras histórias a serem compartilhadas através das cores de seus graffitis, colorindo ainda mais a cidade de Rio Branco. (Assessoria FGB)

Assuntos desta notícia