Acre registra 13 casos de meningite entre janeiro e agosto deste ano – Jornal A Gazeta

Acre registra 13 casos de meningite entre janeiro e agosto deste ano

A advogada Savana Santiago, 33 anos, natural de Brasileia, foi diagnosticada com meningite bacteriana nesta segunda-feira, 9. Filha da ex-vereadora Lêda Santiago, ela está internada no Hospital de Urgência e Emergência de Rio Branco (Huerb).

Segundo a coordenadora da Área Técnica de Meningites, Helena Catão, o quadro da advogada é estável. Ela não está mais em coma, apesar de ainda estar usando sonda gástrica e de reclamar de muitas dores. As próximas 24 horas são importantes para o seu quadro de saúde. Se não houver complicações na sua recuperação, ele pode ficar até sequelas posteriores.

“Ela permanece no isolamento da emergência clínica. O quadro dela segue estável. Está sendo feito o tratamento com antibioticoterapia. Os contatos mais próximos dessa paciente estão recebendo a quimioprofilaxia para evitar que outras pessoas, que tiveram contato com ela, venham a desenvolver meningite”, explica.

Apesar de Savana já ter recebido o diagnóstico de meningite bacteriana, ainda não se sabe que tipo de bactéria causou a doença. “Precisamos esperar o resultado da cultura, que é liberado pelo Lacen entre quatro e cinco dias. Só assim vamos saber que tipo de bactéria ocasionou”.

De acordo com a mãe de Savana, a advogada consegue movimentar apenas os braços, as pernas e abrir os olhos. A advogada começou a passar mal na sexta-feira, 6. Com fortes dores de cabeça, ela tomou remédio achando que era apenas uma gripe. No domingo, 8, as dores aumentaram e ela deu entrada na Upa e em seguida entrou em coma.

Só este ano, o Acre registrou 13 casos de meningite. Entre janeiro e agosto, foram 48 notificações, sendo que cinco casos ainda estão sendo investigados. O caso de Savana ainda não foi incluído nos números oficiais.

A coordenadora afirma que o número é inferior ao registrado no ano passado, quando foram confirmados 21 casos no mesmo período.

“Os casos confirmados deste ano, em relação ao ano passado, são menores. Os casos registrados este ano estão dentro do esperado para o comportamento da doença”, aponta.

Meningite e prevenção

As meningites podem ser causadas por bactérias, vírus, fungos, parasitas e ter causas não infecciosas. As meningites bacterianas são as mais graves e devem ser tratadas imediatamente.

A doença é transmitida de pessoa a pessoa, por via respiratória, por meio de gotículas e secreções, de uma pessoa doente ou portador assintomático para uma pessoa susceptível, através da tosse, espirro, beijo ou fala.

A vacinação é a melhor forma de prevenir a doença. “Nós temos trabalhado muito a questão da prevenção. Hoje, temos quatro vacinas disponíveis pelo SUS. O que a gente pede é que os pais de crianças e adolescentes mantenham a caderneta de vacinação dos seus filhos atualizada. A vacinação é a melhor forma de prevenção”, explica a coordenadora da Área Técnica de Meningites.

Os principais sintomas são: vômitos, fortes dores de cabeça, febre alta, rigidez de nuca, convulsões, manchas vermelhas, irritabilidade e choro constante.

Assuntos desta notícia