Acreana é selecionada para treinamento empresarial que pode render R$ 400 mil – Jornal A Gazeta

Acreana é selecionada para treinamento empresarial que pode render R$ 400 mil

A jovem empresária Kelline Jéssica Oliveira, de 25 anos, foi selecionada pelo grupo Wiser Educação, das escolas de idiomas Wise Upe e Number One, para participar de um treinamento empresarial durante seis meses, em São Paulo.

Mais de 400 empresários e empreendedores de todo o Brasil participaram da seleção que abrirá portas para futuros franqueados da empresa. Quem for aprovado no curso terá acesso a um financiamento facilitado no valor de R$ 400 mil para abrir uma unidade da empresa.

O processo seletivo foi aberto apenas para os participantes do projeto do empresário Flávio Augusto, Geração de Valor.

“No processo, nós mostramos porque deveríamos ser selecionados e merecíamos estar na universidade da matrícula. Não estavam analisando técnicas, não era isso. E sim experiência, história de vida dentro do empreendedorismo. Fui selecionada por tudo que já vivi até aqui”, explica.

Para a acreana, o projeto é a realização de um sonho de infância, já que começou a empreender com oito anos de idade. Na época, ela vendia desde bombons até roupas para amigos da escola, vizinhos, familiares, entre outros.

“Irei ficar seis meses sem contato direto com familiares, totalmente imersa juntamente com mais 24 participantes. Iremos trabalhar muito todos os dias, aprenderemos com toda a equipe do Flávio e do seu grupo. Então, imagina a menina do Acre, que veio da colônia, conseguir isso! É surreal. Esse projeto é a minha vida, um sonho realizado, sonho este que lutei muito para conseguir.”

Hoje, Oliveira é proprietária do Instituto de Empreendedorismo e Educação Financeira inaugurado no final do ano passado, em Rio Branco.

Investindo no Acre

Se aprovada, a empresária afirma que pretender abrir uma escola do grupo no Acre. “Eu acredito no Acre, nós temos todo potencial do mundo pra fazer esse estado crescer e o empreendedorismo é a ferramenta com maior potencial transformador para isso. O acreano precisa voltar a sonhar e a acreditar que pode, que é capaz”.

A jovem destaca que muitas pessoas ainda acreditam no mito de que empreender é fácil e não exige renúncias. Ela afirma que o caminho do empreendedorismo requer muito tempo e dedicação.

“Não foi sorte, não foi do dia para a noite, foi uma construção, uma menina que começou a empreender com oito anos de idade. Quando abri o instituto não tive recurso vindo dele, tudo que fiz foi com dinheiro do meu bolso e de aulas como professora em cursinhos”, contou.

Assuntos desta notícia